Publicidade

cotidiano

Assédio: Unicamp conclui caso, mas não divulga decisão

Estudante de 27 anos foi detido no dia 15 de maio acusado de assediar mulheres no campus

| ACidadeON Campinas -

 

Estudante de 27 anos foi levado para a delegacia. (Foto: Reprodução da EPTV)

Quatro meses depois de um estudante de 27 anos do Instituto de Matemática da Unicamp suspeito de cometer assédio sexual e atos obscenos no estacionamento do campus ser detido pela PM (Polícia Militar), o caso ainda segue sem conclusão.

No entanto, a Unicamp disse nesta terça-feira (21) que o "relatório foi finalizado pela Comissão e está sob análise de instâncias superiores para uma decisão". Apesar de não informar prazo para que isso ocorra, essa movimentação no processo pode acelerar a decisão de expulsar o aluno ou não. O nome do estudante não foi divulgado pela Unicamp nem pela Polícia Civil.

O estudante foi detido no dia 15 de maio, acusado de cometer atos obscenos no estacionamento da universidade. Segundo as vítimas, ele circulava com um Fiesta preto pelas ruas da Unicamp e quando as vítimas se aproximavam percebiam que ele estava se masturbando.

A Polícia Civil também instaurou inquérito policial. O caso está no 7° Distrito Policial de Campinas, em Barão Geraldo. O delegado do caso, Cássio Vita Biazolli, disse que o caso foi praticamente finalizado no mesmo dia que ocorreu a detenção. 



O PROCESSO

Na Unicamp, a direção do Instituto de Matemática instaurou em 18 de maio um processo disciplinar para apurar o envolvimento do estudante no caso e no dia 6 de junho foi formada uma comissão que terá 20 dias para concluir o procedimento. Com isso, o prazo para conclusão era o dia 26 de junho. No entanto, esse prazo foi prorrogado uma vez, ainda em junho, e depois a Unicamp não informou mais outras datas.

LEIA MAIS
Unicamp: processo interno sobre assédio é prorrogado por 20 dias
Estudantes fazem protesto após caso de assediador sexual na Unicamp
Unicamp: mulheres do Imecc organizam canal de denúncias contra assédio
Unicamp abre processo que pode até expulsar estudante suspeito de assédio


Mais notícias


Publicidade