Aguarde...

ACidadeON Campinas

Campinas
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Prefeitura põe R$ 2 na Previdência para cada R$ 1 do contribuinte

Reforma municipal do sistema previdenciário é prioridade neste ano para o governo Jonas, que fala em colapso

| ACidadeON Campinas

Prefeitura lança novo edital para publicidade. (Foto: Divulgação/Prefeitura)

A Reforma da Previdência ainda está indefinida no governo federal, mas em Campinas é pauta prioritária para o governo do prefeito Jonas Donizette (PSB). Mesmo com a crise política, o Executivo pretende resolver a situação ainda este ano sob a alegação de que não existe como manter o sistema com um déficit de R$ 480 milhões sem reformas.

O secretário de Relações Institucionais, Wanderley Almeida, diz que hoje a cada R$ 1 do contribuinte, o governo coloca R$ 2 para sustentar o sistema. "Nós sabemos que o problema da Previdência não é só de Campinas, é de todas as cidades, estados e da União. Mas não há como manter hoje o sistema operando dessa forma. Nós temos discutido com sindicato, com a categoria e conversado com a nossa equipe para expor a situação. Estamos no limite. Nossa previsão é que outros 1,5 mil servidores se aposentem este ano", disse. 
 
LEIA TAMBÉM 
Calor volta a aumentar e final de semana terá tempo firme
Onça volta a aparecer na Mata Santa Genebra em Campinas
Justiça autoriza mãe de Campinas a plantar maconha para tratar a filha


Mesmo que o governo federal não inclua os municípios em seu projeto, o que é um pedido do prefeito que também comanda a FNP (Frente Nacional dos Prefeitos), Almeida afirma que a cidade terá que tomar uma atitude em relação às aposentadorias.

Ao assumir o posto de presidente da Câmara, Marcos Bernardelli (PSBD), afirmou que um dos grandes desafios este ano será a aprovação da nova Previdência em Campinas devido à polêmica e pressão.

O governo em Campinas já fez uma tentativa de aprovar uma reforma na Previdência. O projeto chegou a ser protocolado. A proposta fixava um teto máximo para a concessão de aposentadoria e criava um fundo complementar. Hoje o servidor contribui com 11% do total do próprio salário para receber a aposentadoria integral. Com a nova proposta, o trabalhador poderia pagar uma alíquota opcional a mais de até 8,5% se quisesse receber a aposentadoria integral. Após pressão, o projeto foi retirado de pauta.

Com um orçamento de R$ 957 milhões para 2019 e receita de R$ 600 milhões, a Previdência é um problema para o governo que tem feito tentativas de evitar que o sistema entre em colapso. Jonas também conversou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e pediu para que os municípios fossem incluídos na proposta.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON