Aguarde...

cotidiano

Menores suspeitos ameaçaram vítima após agressão

A Justiça determinou, nesta quinta-feira (19), a internação provisória dos três jovens envolvidos no crime

| ACidadeON Campinas

Carro da Perícia da Polícia Civil. Foto: Código 19 

O adolescente de 17 anos, vítima de espancamento por outros três adolescentes, da mesma idade, na Rua Buriti, no bairro das Palmeiras, em frente ao clube Hípica, foi ameaçado por um dos suspeitos após o caso. A Justiça determinou, nesta quinta-feira (19), a internação provisória dos três jovens envolvidos no crime.   

LEIA MAIS
Justiça determina apreensão de menores por agressão em frente a Hípica
Perícia recolhe imagens de agressão em frente a Hípica
Polícia abre inquérito contra pai de agressor de adolescente


A vítima sofreu fraturas graves e chegou a ficar internada no hospital após uma cirurgia. A desavença entre os adolescentes ocorreu porque a vítima teria ficado com uma ex-namorada de um dos agressores.

Segundo a sentença dada nesta quinta-feira (19), pelo juiz da 3ª Vara Criminal, Nelson Augusto Bernardes de Souza, logo após os fatos, a vítima recebeu, via aplicativo, mensagem ameaçadora de autoria de um dos agressores, que alertava o ofendido a não frequentar os mesmos locais.

A vítima saiu de casa e seguia em direção ao clube quando foi cercado pelos outros adolescentes. Após a agressão, o advogado teria voltado ao local e levado os três agressores embora. O jovem agredido foi socorrido por funcionários do clube que chamaram o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).  
 
O juiz afirmou, em sua sentença, que o ato "foi praticado com extrema frieza e crueldade". Em seguida a vítima conseguiu sair, mas foi perseguida e agredida novamente "de forma covarde", quando novamente caiu.

O jovem teve fratura de órbita, com grande potencial de sequelas, caso o olho seja lesado ou, ainda que a visão não seja diretamente afetada, haja dificuldade de movimentação ocular pelo malposicionamento das estruturas orbitárias que a fratura causa. Além disso, a fratura nasal, também pode ser permanente.

PARTICIPAÇÃO DO PAI

A Polícia Civil de Campinas já instaurou inquérito para apurar a conduta do pai de um dos adolescentes. Entre os detalhes que devem ser apurados a polícia quer entender porque o advogado levou os três adolescentes ao local e depois não socorreu o jovem machucado. Ele saiu do local levando os agressores. A vítima saiu de casa e seguia em direção ao clube quando foi cercado pelos outros adolescentes.

Na sentença, há um depoimento confirmando que o pai sabia do caso. Quando ele busca os adolescentes, ainda pergunta se eles estavam com faca e se haviam esfaqueado a vítima.

"O advogado Daniel Bialski esclarece que em nenhum momento o pai do menor se envolveu no lamentável desentendimento envolvendo os quatro menores no último dia 2. Aliás, nem o menor vítima menciona o uso de qualquer arma e o vídeo do episódio deixa claro que a menção a qualquer instrumento é fantasiosa. Tudo isso será devida e oportunamente demonstrado junto às autoridades competentes", disse através de nota oficial.

INTERNAÇÃO

Os menores, denunciados por lesão corporal pelo Ministério Público local, ficarão em internação provisória pelo prazo de 45 dias, conforme dispõe o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente.

O juiz marcou audiência para a próxima segunda-feira e determinou, ainda, que os menores fiquem custodiados em unidade da Fundação Casa na cidade de Campinas, para que tenham contato com os pais durante o período de internação.

Mais do ACidade ON