Aguarde...

ACidadeON

Voltar

cotidiano

Saúde teve o menor investimento percentual; verba aumentou

Campinas teve o menor investimento percentual no segundo quadrimestre na saúde desde 2012; segundo balanço da Secretaria de Saúde, foram investidos 23,02%.

| ACidadeON Campinas

Informações foram passadas durante audiência na Câmara (Foto: Divulgação/Câmara) 

Campinas teve o menor investimento percentual no segundo quadrimestre na Saúde desde 2012. A informação foi confirmada pela Secretaria da Saúde na sexta-feira (4) durante a audiência pública de prestação de contas da pasta.  
 
Por outro lado, a Saúde ficou com a maior fatia do orçamento de 2020, enviado para a Câmara no último dia de setembro. Serão disponibilizados R$ 1,5 bilhão para a Secretaria de Saúde e Rede Mário Gatti.

Segundo o balanço apresentado pela pasta, o setor recebeu 23,02% dos investimentos. Até então a menor verba havia sido gasta no 2º quadrimestre foi do ano passado, com 24,21%. A maior, até hoje, foi de 31,11%.

Desde que foi divulgado a prestação de contas dividida por quadrimestre, o pior investimento percentual ocorreu nos quatro primeiros meses desde ano, quando Campinas investiu 18,34%.

A cobertura populacional estimada pelas equipes da Atenção Básica também caiu em relação ao mesmo período de 2018. No ano passado, esse atendimento chegou em 45,52%, enquanto neste ano está em 38,53%.

A cobertura populacional estimada pelas equipes de saúde bucal também despencou. Atualmente, está em 23%, mas no primeiro quadrimestre deste ano era 30%. No segundo quadrimestre de 2018, este percentual era de 27%.

OUTRO LADO

Segundo Reinaldo Antônio de Oliveira, diretor do Fundo Municipal de Saúde, o percentual está atrelado à receita, mas isso não significa que houve menos verba para a saúde.

"A aplicação de saúde ocorreu um aumento de 6,8% no aumento da despesa e isso está com base na inflação. Mas o aumento da receita no município foi maior que a inflação. Você pode me dizer que poderia ter aumentado mais? Sim, poderia. Mas não quer dizer que estamos aplicando menos do que deveria", explicou.

Mais do ACidade ON