Aguarde...

ACidadeON

Voltar

cotidiano

Consulta sobre escola cívico-militar ocorre na próxima semana

Quem tem direito a voto são os professores, alunos, pais e funcionários, que formam a comunidade escolar da unidade.

| ACidadeON Campinas

Emef Profª Odila Maia Rocha Brito foi a escolhida (Foto: Renan Lopes/ACidade ON Campinas) 

O Prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), confirmou que a consulta à comunidade sobre a escola cívico-militar deve ocorrer na próxima semana, na quinta-feira. A Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Profª Odila Maia Rocha Brito, no bairro São Domingos, foi a escolhida para aderir ao programa federal.  
 
LEIA MAIS 
Escola do São Domingos é escolhida para ser cívico-militar

Vereador critica "imposição" de modelo cívico-militar 
MP vai acompanhar inclusão de escola cívico-militar  

A Secretaria de Educação disse que a consulta é aberta à comunidade (bairro), mas quem tem direito a voto são os professores, alunos, pais e funcionários, que formam a comunidade escolar da unidade.

"Deve ocorrer na próxima semana. Eu acredito que os pais vão querer, mas vamos ouvir e respeitar a decisão. Caso eles não queiram, vamos encaminhar ao Ministério da Educação e ver o que poderemos fazer", afirmou Jonas.

Os critérios para escolher a unidade, que fica na Rua Juvenal de Oliveira, foi o menor Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) da rede, ser do 6ª ao 9ª ano, ter entre 500 e 1.000 alunos e estar em área de vulnerabilidade. A escola tem, atualmente, 775 alunos.

COMO FUNCIONARÁ

Cerca de 1 mil militares da reserva das Forças Armadas, policiais e bombeiros militares da ativa vão atuar na gestão educacional das instituições. Em 2020, o MEC destinará R$ 54 milhões para levar a gestão de excelência cívico-militar para 54 escolas, sendo R$ 1 milhão por instituição de ensino. São dois modelos.

Em um, de disponibilização de pessoal, o MEC repassará R$ 28 milhões para o Ministério da Defesa arcar com os pagamentos dos militares da reserva das Forças Armadas. Os outros R$ 26 milhões vão para o governo local aplicar nas infraestruturas das unidades com materiais escolares e pequenas reformas nestas escolas, atuarão policiais e bombeiros militares.

A proposta do governo Bolsonaro é que, até 2023, 216 escolas cívico-militares serão implantadas em todo o país, ou seja, 54 por ano. A escola cívico-militar será pública e há previsão de contrapartida do município.

A gestão, segundo o MEC, será dos militares, mas eles não ocuparão cargos dos profissionais da educação. 

MINUTO ON 


Mais do ACidade ON