Aguarde...

cotidiano

Coronavírus: Vigilância diz que não há motivo para pânico

Após caso suspeito em Paulínia, chefe da Vigilância em Saúde de Campinas pede calma e afirma que vírus "não atravessa parede"

| ACidadeON Campinas

Funcionário trabalha em fábrica de máscara na China (Foto: Governo Chinês)
A notícia de uma pessoa com a suspeita de coronavírus em Paulínia deixou muita gente preocupada com a doença na região. Ontem (30), o Estado divulgou que um empresário de 45 anos, que voltou recentemente de uma viagem à China, foi atendido em um hospital particular de Campinas com os sintomas da doença.

Ele já está em casa, passa bem e está seguindo o protocolo de isolamento com restrição de contatos com pessoas e ambientes externos. Além disso, é acompanhado pela Secretaria de Saúde do Estado e também pela municipal.

Em Campinas, o empresário passou por exames laboratoriais e o material colhido foi enviado para Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo. O resultado dos exames pode levar até 15 dias para ficar pronto.

Além dele, outras duas pessoas, moradores da capital, estão com suspeitas da doença no Estado. Um menino de 6 anos, que apresentou febre e tosse, com histórico de retorno da China no dia 19, e um homem de 33 anos, que retornou da China no dia 20 de janeiro.  

O empresário de Paulínia esteve a negócios em Pequim, capital chinesa, e voltou no último dia 23 ao Brasil. Como estava com sintomas da doença (febre, dificuldade de respirar e coriza) acabou procurando atendimento médico em Campinas. Ele é casado e tem uma filha. A criança e a mulher não apresentaram nenhum sintoma da doença e por isso, estão fora de suspeita.

A diretora do Departamento de Vigilância em Saúde de Campinas, Andrea Von Zuben, acompanhou o caso de perto e afirmou que os sintomas apresentados pelo empresário foram brandos e, por isso, a recomendação foi encaminhá-lo para ficar em isolamento em sua própria casa.

"A suspeita foi levantada pelo hospital que entrou em contato com a Vigilância de Campinas. Nós trabalhamos de maneira conjunta com o centro de emergência em epidemiologia e foi considerado caso suspeito por causa da viagem à China em tempo hábil de ser suspeito", explicou a diretora.

"Ele não ficou internado porque estava bem, com sintomas respiratórios brandos, não houve a necessidade e nem é essa a recomendação. Em casa, ele está tomando as precauções necessárias para não ter transmissão. Ele segue a etiqueta de cuidados com doenças respiratórias que serve para qualquer doença do tipo, que é lavar as mãos antes de consumir alimento, usar lenço descartável quando espirrar e ao tossir, levar as mãos à boca. Também evitar ter contato com a mucosa da pessoa que está com os sintomas, não compartilhar talheres e evitar contato próximo. No mais é vida normal, ele está em casa e bem. O dele não é um caso grave, para ter uma série de precauções", afirmou. Ela lembrou que a medida é respaldada pela OMC (Organização Mundial de Saúde).

A recomendação de precaução existe principalmente para os profissionais da Saúde. "A recomendação e o protocolo de atendimento a pacientes com doença respiratória, que é o uso de máscaras", disse. "Não há motivo para pânico, todas as medidas possíveis a secretaria já adotou e as pessoas não precisam de nada além do que a saúde já está fazendo", disse Andrea.
 
PROTOCOLO 

No começo da semana a Prefeitura reuniu profissionais da Saúde da rede pública e particular para passar o protocolo de atendimento para casos suspeitos da doença. "Continua o mesmo protocolo. Se alguém viajou para lá e está com os sintomas deve procurar o sistema de saúde. Mas agora é preciso ter calma, o risco é ter viajando para lá ou ter um contato prolongado com alguém que tenha a doença. Vale lembrar que aqui nenhum caso foi confirmado", destacou.

Ela também lembra que vírus só passa em caso de contato com saliva e coriza. "O vírus não se espalha sem contato próximo, ele não passa por parede de tijolos. O raio de alcance é a tosse e o espirro", explicou. 

DESCARTADO

Nesta quinta-feira (30), foi descartado o caso da menina de 4 anos, já que os resultados dos exames apresentaram positividade para Influenza (gripe).

MONITORAMENTO

A investigação dos casos é realizada pelas secretarias municipais de saúde, com todo apoio técnico da pasta estadual. As amostras biológicas dos pacientes foram colhidas pelo hospital onde foram atendidas e já foram para análise no Instituto Adolfo Lutz, laboratório de referência nacional localizado em SP. Os resultados, assim como eventuais novos casos suspeitos ou confirmados, serão divulgados em boletins atualizados diariamente pela Secretaria.

CAMPINEIROS NA CHINA

Nessa semana o ACidade ON conversou com moradores de Campinas que estão estudando em uma cidade na China vizinha de onde o vírus se originou (leia mais aqui).

DICAS DE PREVENÇÃO

Cobrir a boca e nariz ao tossir ou espirrar;
Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
Não compartilhar objetos de uso pessoal;
Limpar regularmente o ambiente e mantê-lo ventilado;
Lavar as mãos por pelo menos 20 segundos com água e sabão ou usar antisséptico de mãos à base de álcool;
Deslocamentos não devem ser realizados enquanto a pessoa estiver doente;
Quem for viajar aos locais com circulação do vírus deve evitar contato com pessoas doentes, animais (vivos ou mortos), e a circulação em mercados de animais e seus produtos.


Mais do ACidade ON