Aguarde...

cotidiano

Propostas para reforma do CCC vão de R$ 18 mi a R$ 22 mi

Análise da documentação e escolha do vencedor deve sair em até 30 dias

| ACidadeON Campinas

Centro de Convivência, em Campinas (Foto: Divulgação)

Os envelopes com as propostas da licitação da primeira fase das obras de recuperação do Centro de Convivência Cultural de Campinas foram abertos na manhã desta sexta-feira (29) em sessão pública na Secretaria Municipal de Administração.

Dez empresas estão participando da licitação: Consórcio OTT (constituído pelas empresas OTT Engenharia de Obras Ltda. e OTT Construções e Incorporações Ltda.), com proposta de R$ 20.064.406,75; Consórcio Concrepoxi CG (constituído pelas empresas Concrepoxi Engenharia Ltda. e CG Construções Ltda., com R$ 18.962.637,18; Scopus Construtora & Incorporadora Ltda., oferecendo R$ 19.656.035,24; 2N Engenharia Ltda., com valor de R$ 18.823.581,89; Augusto Velloso Engenharia S.A., com proposta de R$ 22.039.088,39; Construtora Progredior Ltda., com R$ 17.895.453,20; Teto Construtora S/A, com valor de R$ 18.279.037,12; Rodoserv Engenharia Ltda., com proposta de R$ 19.440.485,36; Lopes Kalil Engenharia e Comércio Ltda., com R$ 20.056.080,88; e RAC Engenharia S/A, com valor de R$ 21.679.118,08.

Agora, as propostas serão encaminhadas para a Secretaria Municipal de Infraestrutura. A documentação passará por avaliação técnica dos itens e verificação de suas conformidades com o solicitado no edital. "Estimamos o prazo para análise em cerca de 30 dias", diz o secretário de Infraestrutura de Campinas Pedro Leone.

Após análise da Infraestrutura, o processo retornará a Comissão de Licitação para publicação do resultado de julgamento e classificação das propostas, com um prazo de cinco dias para recursos. O passo seguinte é a publicação da homologação do resultado da licitação e, posteriormente, assinatura do contrato. O menor preço oferecido entre as propostas validadas vence.

RECUPERAÇÃO

A concorrência nº 01/2020 cobre a recuperação estrutural, com intervenções no sistema de drenagem, eliminação de infiltrações, de fissuras e reparos em ferragens; impermeabilização e substituição completa das redes elétrica e hidráulica. Também serão feitas as adequações para acessibilidade e para atender as normas de segurança do Corpo de Bombeiros.

Em 28 de janeiro foi publicado o aviso de licitação para a obra. As empresas interessadas puderam entregar os envelopes com as propostas até o dia 3 de março. No dia 4 de maio, foi publicado no Diário Oficial do Município o resultado de julgamento de habilitação das empresas para participar da concorrência. Neste dia 29 de maio, foi a sessão pública de abertura dos envelopes com as propostas.

A verba para a realização da obra virá de um convênio com o Governo do Estado de São Paulo, assinado em 18 de dezembro do ano passado, que garantiu à Prefeitura de Campinas receber recursos de R$ 19,1 milhões para a primeira fase de recuperação do complexo cultural. No futuro, em uma segunda etapa, deverão ser atualizados os equipamentos da área cênica, de iluminação e acústica do teatro.

O projeto para a reforma do local, uma referência para as artes em Campinas, foi realizada pela empresa Falcão Bauer, a partir de um Termo de Acordo de Compromisso (TAC) firmado com a Prefeitura. Vários testes foram realizados para confirmar que a estrutura do anfiteatro, do teatro subterrâneo e demais instalações que compõem o Centro de Convivência, não estavam comprometidas e tinham condições estruturais que suportassem sua utilização. Em dezembro de 2014, a Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas se apresentou no anfiteatro em um concerto de final de ano para celebrar a boa notícia de que a demolição fora descartada.

MARCO HISTÓRICO

O Centro de Convivência Cultural de Campinas (CCCC) faz parte da história da cidade desde 9 de setembro de 1976, quando foi inaugurado. Fica na Praça Imprensa Fluminense e tem projeto original do arquiteto Fábio Penteado.

A área total do teatro do Centro de Convivência é de cerca de 6 mil metros quadrados, sendo 4 mil de área externa (teatro de arena) e 2 mil de área interna (sala de espetáculo, salas de ensaio, galeria, áreas técnica e administrativa, banheiros e camarins).

O espaço já foi palco para grandes apresentações, peças teatrais e shows com artistas de projeção nacional e internacional. Desde a inauguração, o teatro e anfiteatro nunca passaram por uma reforma completa e estrutural como a que será realizada por meio do convênio com o Governo do Estado.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON