Aguarde...

cotidiano

IBGE classifica Campinas como uma das 15 metrópoles brasileiras

Campinas é a única metrópole que não é capital estadual, e isso ocorre devido ao alto dinamismo empresarial existente tanto no núcleo quanto na área de influência

| ACidadeON Campinas

Campinas é oficialmente colocada como uma das metrópoles nacionais. (Foto: Divulgação/Prefeitura)

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) oficializou hoje (25) Campinas como metrópole no país. A cidade emergiu na classificação junto com as cidades de Vitória e Florianópolis e passou a figurar entre as atuais 15 metrópoles brasileiras, ou seja, como um dos principais centros urbanos no Brasil.

A classificação foi feita após a Pesquisa Regiões de Influência das Cidades - Regic, divulgada hoje e que é realizada a cada dez anos. O levantamento visa a identificar e analisar a rede urbana brasileira, estabelecendo a hierarquia dos centros urbanos e as regiões de influência das cidades.

Com a ascensão de Campinas, único município que não é uma capital estadual, São Paulo se tornou a primeira unidade da federação a ter duas metrópoles.  

As três novas metrópoles, estavam classificadas como capitais regionais na versão anterior da pesquisa, realizada em 2007. Mas em 2018 foram reclassificadas, devido à percepção do IBGE de transformação, nessas localidades, entre 2007 e 2018.   

Campinas atingiu o nível de metrópole por ter elevado o número de empresas e instituições públicas, atraindo contingentes populacionais muito significativos de outras cidades para acessarem bens e serviços. "O conceito de metrópole do estudo é diferente do de regiões metropolitanas, que são recortes legais definidos pelos estados para fins de planejamento. A pesquisa delimita as regiões de influência associadas aos centros urbanos e os vínculos estabelecidos entre as cidades na busca de bens e serviços. O elo final de cada rede são as metrópoles, para onde convergem as vinculações de todas as cidades presentes no território nacional", esclarece Bruno Hidalgo, gerente de Redes e Fluxos Geográficos do IBGE.

CAMPINAS

Campinas é a única metrópole que não é capital estadual, e isso ocorre devido ao alto dinamismo empresarial existente tanto no núcleo quanto na área de influência, bem como ao porte demográfico, cuja rede ultrapassa os 4 milhões de habitantes. Tem a menor extensão territorial dentre as metrópoles (14 mil km²), menor número de cidades na sua rede (34) e a segunda mais alta densidade demográfica, comparável à do Rio de Janeiro, com 312 hab./km.  

O gerente destacou as atividades econômicas que impulsionaram o alto número de empresas nas novas metrópoles. Ele lembrou que Campinas é um polo tecnológico e logístico relevante, cortada por rodovias importantes, com uma das principais universidades brasileiras a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
 
PREFEITURA   

Por meio de nota o prefeito Jonas Donizette (PSB) afirmou: "Campinas é uma cidade que conta com a generosidade do campineiro que aqui nasceu e também com a garra de muita gente que veio de tantas regiões do País e ajudou a construir esta grande cidade, que agora é considerada uma metrópole. Campinas tem índices muito positivos de qualidade de vida, refletindo em áreas verdes para a população e, principalmente, em oportunidades. Tenho certeza que vamos superar este momento difícil e, quando tudo isso passar, restabelecer o rumo do progresso de Campinas."

São Paulo continua sendo a maior metrópole  

A cidade de São Paulo permaneceu como a principal metrópole do país. Na pesquisa, São Paulo ocupa isoladamente, a posição de maior hierarquia urbana do Brasil. O IBGE lembrou que esse centro urbano tem arranjo populacional de 21,5 milhões de habitantes em 2018 e representava 17,7% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2016.

O IBGE informou ainda que Brasília (DF) e Rio de Janeiro (RJ) ocupam juntas segunda colocação hierárquica, também com forte presença nacional. O instituto lembra que o arranjo populacional de Brasília contava, em 2018, com 3,9 milhões de habitantes, enquanto o do Rio de Janeiro somava 12,7 milhões de pessoas, no mesmo ano.

Os arranjos populacionais de metrópoles são estruturas de maior porte do que as cidades. Uma metrópole, além da cidade de origem, abrange municípios no entorno, com tamanha integração entre eles que justifica tratá-los como "um único nó" da rede urbana principalmente nos deslocamentos para estudo e trabalho.

No levantamento, 32 cidades de 12 Estados passaram ser consideradas Capitais Regionais em 2018. Os Estados de Goiás, Mato Grosso e Rondônia foram os que mais aumentaram em termos relativos o número de Capitais Regionais. Essa classificação serve para centros urbanos com alta concentração de atividades de gestão - mas com alcance menor, em termos de região de influência, em comparação com as metrópoles.


Mais do ACidade ON