Aguarde...

cotidiano

Policiais são afastados após agredirem mulher no Itatinga

Imagens mostram ação violenta dos policiais em abordagem de pessoas que estavam na rua

| ACidadeON Campinas

Imagens mostram ação violenta dos policiais em pessoas que estavam na rua

Policiais militares foram afastados após o flagrante de abuso de autoridade e agressões durante uma ação no Jardim Itatinga, em Campinas. As agressões aconteceram na noite no último sábado (25) na Rua Guaiçara, e foram registradas por câmeras de segurança de uma residência. 

Nas imagens é possível ver os policiais chegando por volta das 22h no local, onde passam algumas pessoas. Após a chegada já turbulenta, um casal e duas mulheres correm assustadas. Em seguida, é possível ver quando um homem que cai é chutado por um dos policiais. Na sequência uma mulher foge dos policiais, e em seguida leva um tapa e um chute de dois dos PMs. Segundo testemunhas, a mulher estaria grávida.  

Com armas e cassetetes na mão, os policiais ainda param um motoboy que passava na rua, apontando a arma ao motociclista para ordem de parada. Durante a abordagem do rapaz, um outro policial vai até o portão de uma casa, onde dá socos contra a porta. Não é possível identificar se neste momento alguma pessoa é atingida.   


 
Segundo a Polícia Militar, equipes têm efetuado diversas operações na área do Jardim Itatinga, "devido ao grande fluxo de pessoas pelo local para a preservação da ordem pública".  

Em nota, a Policia Militar disse que recebeu as denúncias da ação dos policiais, e que após o conhecimento da imagens vai instaurar um inquérito policial para a apuração dos fatos. Segundo a assessoria de imprensa, os policiais envolvidos foram afastados do serviço operacional.  

Em nota, a PM disse ainda que "não compactua com nenhum tipo de desvio, sendo que, quando correm, pontualmente, essas condutas são devidamente apuradas".  

VIOLÊNCIA 

A agressão registrada no último sábado em Campinas acontece em um momento em que outros vídeos de agressão policial chamam a atenção no Estado e no país. Em São Paulo, um policial militar foi preso também no sábado, após atirar em um motociclista pelas costas.  

No momento do disparo, a moto já estava parada e o homem, ainda com as duas mãos no guidão, se preparava para descer do veículo. O homem chegou a ser socorrido ao Hospital Municipal Tide Setúbal, na zona leste da capital, mas não resistiu e morreu.  

Segundo dados da SSP (Secretaria de Segurança Publica), de janeiro a junho deste ano as polícias civil e militar de São Paulo mataram juntas 514 pessoas em supostos tiroteios, durante o serviço e também durante a folga. É o maior número da série histórica do governo paulista, que iniciou em 2001.

Mais do ACidade ON