Aguarde...

cotidiano

Mulheres ocupavam quase 60% das vagas perdidas em junho na RMC

Maioria das vagas fechadas no mês eram ocupadas por funcionárias do sexo feminino

| ACidadeON Campinas

Estudo apontou diminuição maior de mulheres em postos de trabalho em junho (Foto: Denny Cesare/ Código 19)

Um estudo do Observatório da PUC-Campinas apontou que as mulheres foram as que mais sofreram com demissões em junho na RMC (Região Metropolitana de Campinas). Segundo o estudo, 58% das vagas perdidas no último mês eram ocupadas por mulheres.  

A análise apontou que a região fechou o mês com 2.325 postos de trabalho a menos, sendo que 1.364 eram vagas pertencentes a funcionárias do sexo feminino. Segundo o estudo, o único setor que apresentou aumento nas vagas no último mês foi o da Construção Civil, que ainda abrange majoritariamente funcionários masculinos. 

De acordo com a economista Eliane Rosandiski, responsável pelo estudo, as mulheres foram as mais afetadas pelos ajustes no mercado de trabalho durante toda a crise, isso porque além dos trabalhos registrados há uma grande diminuição do emprego doméstico e autônomo. Além disso, a maioria de ocupações das mulheres são no comércio, setor que tem constante queda.  

"Os setores de alimentação, comércio e atividades continuam diminuindo os postos e isso atinge diretamente o público feminino. Além disso, a gente vê nacionalmente os setores domésticos e informais perdendo participação, o que coloca as mulheres em maior situação de vulnerabilidade", declarou.  

Segundo a economista, no saldo do semestre, o número demissões de emprego entre homens e mulheres ficou em nível igualitário. No entanto, como as mulheres ainda são minoria entre os postos são mais atingidas pelas perdas.  

"Ainda que desemprego atinja igualmente, a proporção é maior de mulheres, que ocupam 40% das vagas e estão em menores números, então como um todo, o prejuízo é maior", afirmou.  

Já em relação a faixa etária, as demissões atingiram majoritariamente a população com mais idade. Segundo a pesquisa, 54% das reduções de emprego atingiram trabalhadores com na faixa etária de 50 a 64 anos, em comparação do acréscimo 168 postos de trabalho na faixa etária de 18 a 24 anos.  

QUEDAS  

A maior queda de postos de trabalho na região em junho foi registrada em Campinas, responsável por 1.395 empregos perdidos durante o mês. A análise dos números pela pesquisa leva como base os números divulgados pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Apesar da perda, junho teve o menor saldo mensal negativo observado desde o período de quarentena. O maior foi registrado em abril, com perda de 22,3 mil empregos na RMC. Em todo o semestre, mais de 33 mil postos de trabalho foram fechados na região , sendo que Campinas responsável pela perda de 15.627 vagas.

Mais do ACidade ON