Publicidade

cotidiano

PF deflagra operação contra fraudes em comércio de combustíveis

Segundo a investigação, uma empresa "de fachada" de Paulínia é responsável por sonegação de R$ 870 milhões

| ACidadeON Campinas -

Operação foi deflagrada pela Policia Federal de Campinas (Foto: Denny Cesare/Código19)

A Policia Federal de Campinas deflagrou na manhã desta sexta-feira (2) uma operação para apurar fraudes milionárias no comércio de combustíveis.  

Segundo a investigação, estariam envolvidas pessoas físicas e jurídicas que realizavam fraudes tributárias. Os débitos fiscais ultrapassam R$ 870 milhões.  

A investigação foi denominada "Operação Andrômina", que significa fraude. Segundo a polícia, o nome faz alusão ao modo de funcionamento do empreendimento criminoso.  

De acordo com o apurado pela PF, uma empresa distribuidora de combustíveis de Paulínia teria atuado como "barriga de aluguel", que seria uma empresa constituída para emitir notas fiscais, sem existência fatídica.  

Oito pessoas físicas e seis pessoas jurídicas são investigadas por ligação com o esquema. Ao todo foram expedidos pela 9ª Vara Federal de Campinas quatro mandados de busca e apreensão, sendo três em Paulínia e um no Rio de Janeiro. Segundo a PF, os mandados buscam provas do patrimônio oculto, e vinculo de sócios ocultos da empresa utilizada na fraude.   


Segundo a investigação, a empresa com sede em Paulínia foi criada em nome de sócios "laranjas", com o objetivo de intermediar a compra de combustível entre as usinas e os postos, sem recolher os tributos devidos nas operações. 

A prática de sonegação teria resultado no débito de R$ 500 milhões em 2014, que valor atualizado corresponde aos R$ 870 milhões.
Ainda de acordo com a Polícia, além da fraude fiscal, o crime leva empresários a terem lucros maiores, vantagem competitiva ilegal e aumento da participação no mercado, inviabilizando também atividades de concorrentes.  

Até o momento 25 imóveis localizados na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, foram bloqueados judicialmente, por serem adquiridos com recursos da empresa fraudadora.
 

Mais notícias


Publicidade