Aguarde...

cotidiano

Mal súbito: especialistas alertam para mortes em atividades físicas

Na última terça (13), uma jovem de 20 anos morreu enquanto fazia exercícios físicos em uma academia de Hortolândia; 212 mil pessoas morrem de mal súbito no Brasil todos os anos

| ACidadeON Campinas

Mortes súbitas também atingem jovens. (Foto: Luciano Claudino/Código19)

Todos os anos, em média 212 mil pessoas têm mortes súbitas no Brasil, segundo pesquisa divulgada pelo Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas). E, ao contrário do que muitos acreditam, elas não acometem somente pessoas idosas e com doenças pré-existentes. De acordo com especialistas, o mal súbito pode ser desencadeado por uma série de fatores (leia mais abaixo).  

Na noite da última terça-feira (13), uma jovem de 20 anos teve um mal súbito e morreu enquanto fazia exercícios em uma academia de Hortolândia. Em 2016, Campinas registrou duas mortes súbitas em uma única semana. Em ambos os casos as vítimas eram jovens e praticavam exercícios físicos.  

E, com a chegada do Verão, as práticas de tais atividades se intensificam ainda mais, já que muita gente gosta de estar em forma para curtir piscina e praia. O problema é que o processo não é tão simples quanto parece, e a negligência de algumas etapas necessárias pode levar a um final nada feliz.  

Para o médico Sergio Rocha Piedade, coordenador de medicina esportiva da FCM (Faculdade de Ciências Médicas) da Unicamp, não se pode prever um mal súbito, mas, em determinados casos, a morte poderia ter sido evitada se a vítima tivesse feito uma avaliação pré-participacional antes de iniciar a prática de exercícios. O exame normalmente é realizado com um médico do esporte ou cardiologista.  

"Embora esta avaliação não possa evitar todos os eventos adversos, ela pode identificar condições clínicas pré-existentes que ainda não se manifestaram e assim evitar expor um indivíduo a risco maior para sua saúde", comenta.  

Já o médico Alessandro Franjotti Chagas, coordenador do departamento de cardiologia da Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas, destaca que o ideal é que o paciente sempre passe em uma avaliação cardiológica, na qual vai ser feita uma anamnese (entrevista clínica), onde o médico colherá informações relacionadas à saúde do paciente.  

"Informações sobre se ele é tabagista, hipertenso, diabético, se tem colesterol alto, se ele tem antecedente familiar de morte súbita, dentre outras coisas. Tudo isso vai ser colhido na anamnese, somado ao exame físico, e será possível estratificar os riscos desses pacientes, e eventualmente indicar uma doença que esteja silenciosa", complementa.  

O QUE É E O QUE PODE OCASIONAR UMA MORTE SÚBITA?
 
De acordo com Dr. Sergio Piedade, da Unicamp, a morte súbita pode ser definida como uma condição clínica que ocorreu de forma repentina e inesperada. Na maioria das vezes a vítima estava aparentemente bem ou saudável, e veio a óbito.  

Ele explica que quando ela ocorre entre atletas ou esportistas que realizam atividades físicas regulares e com alta intensidade, os problemas cardiológicos são as principais causas. Dentre elas está a doença cardíaca hereditária ou congênita, que atinge os atletas jovens, e aterosclerose da artéria coronária, que é mais comum nos atletas mais velhos.

"É importante dizer que a parada cardíaca súbita é responsável por 50% da mortalidade cardiovascular, a maioria ocorre durante ou logo após o esforço e evolui para morte cardíaca súbita", destaca.  

Outras condições são indivíduos que apresentam problemas clínicos pré-existentes como a diabetes, hipertensão, que faz uso de drogas ilícitas, e até mesmo o calor ambiente (hipertermia).  

Para esses pacientes, os exercícios físicos intensos podem eventualmente precipitar quadro de arritmia cardíaca, que é o descompasso do ritmo cardíaco e, consequentemente, pode prejudicar ou abolir a função cardíaca.  

Alessandro Franjotti Chagas destaca que, além de inesperada, a morte súbita também pode ser silenciosa, sem qualquer sintoma que denuncie o problema. "A maioria das pessoas que enfartam, elas não se manifestam previamente com dor no peito, com tonturas ou palpitações como muitos acham. Na verdade, a grande manifestação inicial de um paciente que vai ter o infarto, já é o infarto. Nem sempre ele tem a sorte de ter uma dor no peito e uma palpitação", ressalta.   



COMO EVITAR UM MAL SÚBITO DURANTE A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS?
 
A prática de esportes e exercícios físicos regularmente traz, sem dúvida, benéficos a saúde, pois melhora a função de diversos sistemas do corpo - respiratório, cardiovascular, imunológico -, ao mesmo tempo em que melhoram a autoestima.  

Contudo, Piedade alerta para cuidados e sinais que o próprio organismo dá durante as atividades, e que podem prevenir mal súbitos.  

Confira abaixo:
 
- Observe como o seu nosso corpo responde à carga, intensidade e frequência dos exercícios que você está fazendo;
- Trabalhe na chamada "zona de segurança", não queira insistentemente quebrar seus recordes pessoais
- Procure seu médico regularmente;
- Pratique esportes e faca exercícios físicos de forma prazerosa, e sem estresse;
- Não transfira o estresse da vida diária para o seu esporte;
- Se hidrate durante e após atividade física;
- Alimente-se bem, coma verduras, legumes regularmente;
- Lembre-se seu corpo precisa repor energias, respeite o seu sono.

Mais do ACidade ON