Aguarde...

cotidiano

Manifestantes fazem ato contra racismo em frente ao Carrefour da Norte-Sul

O protesto em Campinas ocorreu de forma pacífica. Com cartazes contra o racismo e chamando a atenção para o caso, o grupo gritava palavras de ordem para quem passava pela via

| ACidadeON Campinas

Manifestantes em frente ao Carrefour da Norte-Sul. (Foto: Denny Cesare/Código 19)

Um grupo de manifestantes se reuniu na manhã deste sábado (21) em frente a unidade do Carrefour Bairro localizado na Avenida José de Sousa Campos - mais conhecida como Norte-Sul - em Campinas. O protesto é pela morte de João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, asfixiado na noite da última quinta-feira por dois seguranças em uma unidade do Carrefour em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

O protesto em Campinas ocorreu de forma pacífica. Com cartazes contra o racismo e chamando a atenção para o caso, o grupo gritava palavras de ordem para quem passava pela via e também para clientes que chegavam ao supermercado. Muitos veículos que passavam pela avenida buzinavam em apoio à manifestação.
 
Uma viatura da Polícia Militar ficou no local acompanhando o ato que até o fechamento dessa notícia ainda continuava.  
 
LEIA TAMBÉM 
Acobertamento de corpo e morte de cadela são outras polêmicas envolvendo o Carrefour


PROTESTOS PELO PAÍS

A violência que ocorreu no supermercado culminou em uma onda de protestos pelo país. Ontem (20), Dia da Consciência, e quando caso foi divulgado, dezenas de grupos de movimentos sociais organizaram protestos na unidade de Porto Alegre, onde aconteceu a morte de João Freitas.  



O movimento foi seguido em outras cidades como São Paulo, onde a unidade da Rua Pamplona foi depredada e queimada, e como mostram imagens nas redes sociais. No Rio Janeiro dezenas de manifestantes também ocuparam lojas. Em Belo Horizonte não foi diferente.

Em São Paulo, por exemplo, uma marcha que já aconteceria por conta do Dia da Consciência Negra caminhou sentido a unidade depredada por volta das 18h30.

MEUS SENTIMENTOS 

"Em primeiro lugar, gostaria de expressar meus profundos sentimentos, após a morte do senhor João Alberto Silveira Freitas. As imagens postadas nas redes sociais são insuportáveis () Medidas internas foram imediatamente tomadas pelo Grupo Carrefour Brasil, principalmente em relação à empresa de segurança contratada. Essas medidas são insuficientes. Meus valores e os valores do Carrefour não compactuam com racismo e violência. Espero que o Grupo Carrefour Brasil se comprometa, além das políticas já implantadas pela empresa.", disse o executivo no Twitter no início da noite desta sexta-feira, após uma enorme reação nas redes sociais no Dia da Consciência Negra.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON