Publicidade

cotidiano

Com aumento de sintomas respiratórios, Campinas monitora pacientes

Segundo a Prefeitura, os casos de covid-19 não estão crescendo, mas houve um aumento em pessoas com sintomas respiratórios

| ACidadeON Campinas -

(Foto: Denny Cesare/Código19) 

A Prefeitura de Campinas vem monitorando de perto o crescimento de casos de pacientes com sintomas respiratórios que dão entrada em unidades de saúde. Na última terça-feira (24), os 46 leitos do Hospital Ouro Verde estavam ocupados e cinco novos de covid-19 foram abertos no Hospital Municipal Doutor Mário Gatti. 
 
LEIA MAIS 
Covid-19: Campinas tem mais 4 mortes e total de recuperados passa de 40 mil


Segundo o boletim epidemiológico do dia 20 deste mês, Campinas passou as semanas 39, 40, 41, 42, 43 e 44 com pouco menos de 600 casos de coronavírus por semana.

Na semana 45, os casso cresceram para 1.008 e na semana 46, bateu 2.058 casos. Isso registrado nos pronto atendimentos. Já nos CSs (Centros de Saúde), a semana 44 estava com 1.226; na semana 45 1.720 e na semana 56 2.220.

"A Prefeitura vem monitorando de perto. Os casos confirmados de covid-19 não estão crescendo, mas estamos monitorando e testando todos os sintomáticos respiratórios", explicou a diretora do Devisa, Andrea Von Zuben.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) exclusivos de covid-19 está em 57,7%. Campinas conta com 182 leitos nas redes pública e particular. Deste total, 105 estão ocupados, o que corresponde a 57,7%. Há 77 leitos livres somando as redes pública e particular.

"Não acredito que vamos viver o drama que vivemos em julho. Chegamos a ter mais de 300 pessoas em UTI Covid. Mas se tiver necessidade de ampliar, seja leito de retaguarda ou de UTI, nós vamos fazer. O que estamos tendo mais necessidade agora é leito de enfermaria, por causa das internações precoces", afirmou o secretário de Saúde, Carmino Antonio de Souza.

Em relação aos leitos do Ouro Verde e Mário Gatti, a Secretaria de Saúde informou que Campinas está em uma situação adequada de leitos, tanto de enfermarias quanto de UTIs e tanto estadual quanto municipal.

"A positividade de testes PCR de Covid-19 para pacientes que chegam às unidades de saúde com sintomas gripais que chegava a mais de 70% no auge da pandemia está, neste momento, entre 5% e 10%. A mesma tendência se verifica com relação ao número de casos por semana epidemiológica (de mais de 100 para menos de 20 casos por semana) e de óbitos diários. A rede municipal tem capacidade para atender aos casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) de todas as etiologias. Os leitos eventualmente redirecionados para outras atividades poderão retornar ao tratamento de pacientes com Covid19, quando (se) houver necessidade", diz a nota.

Na quarta a pasta informou que o índice de transmissão da doença em Campinas está em 0,78 o mais baixo desde o início da pandemia (leia mais aqui).

NO ESTADO

As internações por covid-19 no estado de São Paulo voltaram a crescer na última semana, segundo dados oficiais da Secretaria da Saúde. Houve um aumento de 17% nas internações entre os dias 15 e 21 de novembro, após aumento de 18% na semana anterior, de 8 a 14 de novembro.

Os dados mostram, portanto, que as internações crescem mesmo na comparação com uma semana em que já ocorria alta.

Apesar disso, o governo estadual nega que esteja em curso uma segunda onda da doença no Estado.

Mais notícias


Publicidade