Publicidade

cotidiano

Menino acorrentado em barril tem alta de hospital após quatro dias

Família e Conselho Tutelar informaram que criança foi enviada a abrigo; caso está sob sigilo

| ACidadeON Campinas -

Menino de 11 anos ficou internado por quatro dias para ganho de peso (Foto: Reprodução) 

O menino de 11 anos que foi encontrado acorrentado a um barril no Jardim Itatiaia, em Campinas, recebeu alta nesta quarta-feira (3) depois de quatro dias internado para tratar um quadro de desnutrição. Ele foi resgatado no sábado (30) pela PM (Polícia Militar) e levado para receber atendimento no Hospital Ouro Verde. Ontem, havia sido transferido para o Hospital Mário Gatti.

Segundo a tia da criança e o Conselho Tutelar o menino foi enviado a um abrigo. Sobre isso, a Prefeitura de Campinas informou por meio de nota: "a decisão sobre o encaminhamento a ser dado é atribuição do Poder Judiciário". Procurado, o TJ (Tribunal de Justiça) informou que o caso está sob sigilo de justiça. 
 
O prefeito Dário Saadi (Republicanos) informou também na tarde desta quarta-feira durante transmissão pelas redes sociais que o caso causou indignação e reafirmou que a criança teve alta do hospital e seu encaminhamento seria tratado pela Vara da Infância.  


 
TRATAMENTO

No hospital, o menino estava recebendo tratamento para ganhar o peso, uma vez que ele foi encontrado com quadro de desnutrição severa. No momento do resgate, ele pesava 27 kg e o ideal para sua idade é de 35 kg. Ao ser resgatado, ele disse aos policiais que estavam com fome.

O menino ficava nu, acorrentado nos braços e nos pés ao tambor, coberto por uma telha tipo brasillit e uma pia de mármore. A polícia suspeita que ele estava nesta situação há pelo menos um mês. Vizinhos denunciaram a situação à Polícia Militar.

LEIA TAMBÉM 
Protetores resgatam cachorros de casa onde menino era torturado  
Madrasta de menino preso em barril era conhecida por ajudar animais abandonados  
Conselho Tutelar nega que sabia do caso de menino acorrentado em barril 


MP

Ainda hoje, o MP (Ministério Público) solicitou nesta ao Conselho Tutelar a revisão de todos os casos em andamento e que se encontram sem comunicação dos demais serviços da rede de proteção há mais de três meses.

Desde segunda-feira (1º), a Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Campinas instaurou procedimento investigatório para apurar eventual falha da rede de proteção nos atendimentos prestados ao menino.

Mais notícias


Publicidade