Publicidade

cotidiano

Caso barril: após 2 meses, Prefeitura ainda investiga caso e menino segue em abrigo

Administração abriu inquérito em fevereiro para verificar se houve omissão de entidades e continua investigação; menino de 11 anos está bem, segundo Conselho

| ACidadeON Campinas -

Menino foi encontrado em barril no dia 30 de janeiro (Foto: Reprodução/Polícia Civil)

Dois meses depois do menino de 11 anos ser encontrado acorrentado a um barril no Jardim Itatiaia, em Campinas - gerando comoção nacional - o caso segue sem conclusão e a Prefeitura ainda investiga se houve ou não omissão de entidades associadas no acompanhamento da família. A família continua presa.

O planejamento é que o relatório da Assistência Social seja entregue até amanhã (30) para o gabinete do prefeito (leia mais abaixo). Já a sindicância da Secretaria de Justiça corre sob sigilo por envolver um menor de idade. Essa sindicância tem prazo de 60 dias, mas pode ser prorrogada por mais 30. A Prefeitura não confirmou se vai prorrogar ou não o prazo do resultado.

EM ABRIGO


Segundo o Conselho Tutelar, a criança continua em um abrigo da cidade e está bem. O MP (Ministério Público) e o TJ (Tribunal de Justiça) também foram procurados para esclarecer como está o caso e informaram que o processo segue em segredo de Justiça por se tratar de um menor de idade.

O pai, um auxiliar de serviços gerais de 31 anos, sua mulher, uma faxineira, de 39, e a filha dela, uma vendedora de 22 anos, seguem presos em Tremembé. Eles foram presos em flagrante pela PM (Polícia Militar), no mesmo dia que a criança foi encontrada sendo torturada, no dia 30 de janeiro. 

LEIA TAMBÉM 
Madrasta de menino preso em barril era conhecida por ajudar animais abandonados  

Após menino torturado, MP pede que Conselho Tutelar revise casos 



O CASO

A criança foi encontrada pela PM, por volta de 17h, acorrentada a um barril na parte de fora da casa onde vivia com a família, no Jardim Itatiaia. A cena assustou até a equipe policial, que relatou nunca ter visto nada parecido. O caso gerou comoção nacional e Campinas e se viu nas manchetes nacionais.

A criança estava nua, acorrentada nos pés e nas mãos dentro do latão, que era coberto por uma telha brasillit e uma pia de mármore. Um pano colorido de chão ajudava a tirar o sol do rosto dele.

Depois de ser libertado, o menino foi levado a um hospital devido ao quadro severo de desnutrição, onde ficou quatro dias. Após a repercussão do caso, a Justiça de Campinas acolheu a denúncia do MP de tortura do pai e omissão das mulheres. O pai biológico da criança também foi acusado de abandono intelectual da criança pois não havia matriculado e nem manteve o filho na escola durante o ano de 2020.

Além disso, a perícia do IC (Instituto de Criminalística) de Campinas fez um laudo técnico mostrando que havia comida armazenada em armários em duas geladeiras da residência. O documento também avaliou que a casa, no Jardim Itatiaia, tinha condições adequadas para o desenvolvimento de uma criança, além de possuir eletrodomésticos, roupas e produtos de higiene pessoal.

Segundo a polícia, a criança estava presa ao local há cerca de um mês e era alimentada apenas com cascas de fruta e fubá cru.

CONSELHO TUTELAR


Por conta da repercussão do caso, a atuação do Conselho Tutelar foi questionada na época e dados do próprio órgão mostram que a atuação do Conselho na região do menino torturado caiu 64% em 2020. Dois dias após o resgate do menino, o Conselho admitiu que acompanhava a família, mas negou ter ciência de violência sofrida por ele em casa, no Jardim Itatiaia.

ASSISTÊNCIA SOCIAL

Com a repercussão do caso, a Secretaria de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos, iniciou um "pente-fino" dos casos urgentes encaminhados para os Creas (Centros de Referência Especializados da Assistência Social). Esse relatório deve ser concluído até o final de março.

Já na última segunda-feira (22), a Prefeitura informou que foi apresentado o novo Protocolo Creas. "O documento define os procedimentos para atender famílias que apresentam situação de violência doméstica. O material contém indicadores que facilitam a identificação dos casos específicos do Creas", disse em nota.

Além disso, a Administração afirmou que para o mês de abril está prevista a capacitação dos conselheiros tutelares e dos profissionais que atuam na rede municipal de educação e de assistência social. Ela não deu mais detalhes sobre como seria essa capacitação.

Mais notícias


Publicidade