Publicidade

cotidiano

Vale Gás: saiba quem pode pedir o auxílio de R$ 100 em Campinas

Ao todo, a medida irá beneficiar 100 mil famílias do Estado partir de julho. Elas receberão três parcelas de R$ 100 a cada dois meses, totalizando R$ 300

| ACidadeON Campinas -

Moradora de Campinas carrega botijão de gás em moto. (Foto: Denny Cesare/Código 19/Arquivo)

No começo desse mês o governo de São Paulo anunciou o programa 'Vale Gás', para auxiliar famílias de baixa renda a comprarem botijão de gás no estado. Na região de Campinas, são 4,6 mil em situação de vulnerabilidade social contempladas. Em Campinas, serão 3.804 famílias beneficiadas. 
 
LEIA TAMBÉM 
Pedágios têm aumento de 8,05% a partir do dia 1º; veja como fica na região de Campinas
Baixa umidade do ar deixa Campinas em estado de atenção neste sábado
 


Ao todo, a medida irá beneficiar 100 mil famílias do Estado partir de julho. Elas receberão três parcelas de R$ 100 a cada dois meses, totalizando R$ 300.

QUEM PODE PEDIR?

O programa será voltado às famílias que fazem parte do Cadastro Único do governo federal, mas não recebem o Bolsa Família.

As famílias podem checar se têm direito ao benefício no site: www.valegas.sp.gov.br com o número de NIS ou entrar em contato com a Central de Atendimento da Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo pelo telefone (11) 2763-8103.

Quem não tiver acesso à internet, pode pedir informações no Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) próximo à residência. As famílias que foram selecionadas estão inscritas no CadÚnico com situação de pobreza ou extrema pobreza, o que equivale a R$ 178 de renda per capita mensal.

Gás mais caro

O gás de cozinha está mais caro nas distribuidoras desde o início do mês, quando entrou em vigor a alta anunciada na última semana pela Petrobras. O preço do produto sofreu reajuste de 5%, o que alterou o valor final e deixou o gás de R$ 2 a R$ 5 mais caro. Nas revendedoras de Campinas, os botijões variam de R$ 70 a R$ 80.

O aumento foi anunciado na última semana, pela Petrobras. Segundo os moradores, o maior problema dos reajustes é que eles são acumulados. Somente em 2020, o preço do gás subiu nove vezes.

Mais notícias


Publicidade