Publicidade

cotidiano

Prefeitura de Campinas recupera R$ 1 mi e entra na Justiça contra Banco do Brasil

Administração sofreu golpe de R$ 7,4 milhões no dia 25 de junho após 60 transações fraudulentas; entenda caso

| ACidadeON Campinas -

Paço Municipal de Campinas (Foto: Código19) 

A Prefeitura de Campinas divulgou na tarde desta quinta-feira (1º) que recuperou R$ 1 milhão dos R$ 7,4 milhões que havia perdido em um golpe após 60 transações bancárias fraudulentas na última sexta-feira (25) (leia mais abaixo). O valor de R$ 1 foi devolvido ontem (30).

Além disso, a Administração disse que entrou com uma ação indenizatória contra o Banco do Brasil para a devolução imediata do restante do valor (R$ 6,4 milhões) transferidos indevidamente.

O processo contra o banco foi distribuído na 2ª Vara da Fazenda Pública de Campinas. Na ação, a Administração também requer que, ao final do processo, o município seja ressarcido dos prejuízos causados, como a perda de rendimento diário do valor transferido indevidamente da conta. A Justiça deu 15 dias para o Banco do Brasil se manifestar antes de decidir sobre a liminar do golpe.

O dinheiro recuperado foi devolvido pelo próprio destinatário do TED (Transferência Eletrônica Disponível). De acordo com a Prefeitura, o valor, que estava em uma conta da Secretaria de Finanças, foi retirado em 60 transferências de TED e PIX, por meio de uma transação fraudulenta. Tanto a Prefeitura como a Polícia Civil investigam o caso.

Segundo o secretário de Finanças de Campinas, Aurílio Caiado, o dinheiro é parte de uma reserva da Prefeitura e não afetará os pagamentos futuros. No total, foram 64 transferências feitas, mas o valor voltou aos cofres públicos em quatro delas.

INVESTIGAÇÕES

Além do inquérito da Polícia Civil, a Prefeitura também abriu sindicância para apurar, em 90 dias, possível responsabilidade de servidores. Segundo a Administração, o valor foi retirado e transferido para dezenas de contas de pessoas físicas e jurídicas.  

O nome dos envolvidos não foi divulgado. Essa fraude foi identificada por dois funcionários da pasta de Finanças. Ambos são concursados e têm 20 anos de serviço na Prefeitura. 

De acordo com a Polícia Civil, os computadores apreendidos da Prefeitura estão sob análise do Núcleo de Perícias Criminais do município. Além disso, funcionários serão ouvidos para fazer a identificação dos suspeitos.

OUTRO LADO

O Banco do Brasil reiterou que "segue colaborando com as investigações com o repasse de informações no escopo de sua atuação. Não há fatos novos em relação a essa ocorrência". 

Além disso, banco reforçou que "não há registro de invasão aos seus sistemas nesse tipo de fraude, que normalmente se desenvolve por meio de engenharia social. Para agregar maior efetividade ao processo de segurança das contas, é importante que os clientes mantenham suas credenciais (senhas e códigos de acesso) em total segurança, bem como façam uso de equipamentos confiáveis, livres de vírus e programas de captura de senhas. O processo de contestação encontra-se em análise pela área técnica do Banco."

Publicidade