Publicidade

cotidiano

Grupo faz manifestação em Campinas a favor do voto impresso nas eleições

Manifestantes se reuniram no Largo do Rosário, no Centro, para pedir utilização de voto impresso auditável nas eleições brasileiras

| ACidadeON Campinas -

 

Ato realizado neste domingo (Foto: EPTV Campinas)
Um grupo se reuniu na manhã deste domingo (1º) em Campinas para se manifestar a favor do voto impresso auditável nas eleições brasileiras. Os manifestantes se reuniram no Largo do Rosário, no Centro, com um caminhão de som. A maioria se vestiu com as cores amarela, azul e verde e algumas pessoas carregavam a bandeira do Brasil.

A Emdec (Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas) e a GM (Guarda Municipal) acompanham o protesto. Segundo a Prefeitura de Campinas, o nome do evento é "Marcha pela liberdade e manifestação pelo voto impresso" e a estimativa é que 1,5 mil pessoas participam do ato. Até 10h38 deste domingo, o grupo não havia feito passeata ou ocupado a via.
 
O voto impresso é defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para ser adotado nas próximas eleições, que serão presidenciais. Na última quinta-feira (29), ele defendeu a utilização do voto impresso no lugar do sistema eletrônico atual em uma live semanal.

"Voto impresso auditável e contagem pública dos votos é um instrumento de cidadania e paz social, garantia de paz e prosperidade, de harmonia entre os Poderes. Nenhum Poder é absoluto, todos nós temos limites. O que o povo quer, e nós devemos atendê-lo, é exatamente um sistema de votação onde se possa ter a garantia de quem se votou, o voto vai para aquela pessoa. Assim, nós conseguiremos, com toda certeza, uma paz no Brasil, conseguiremos antecipar possíveis problemas e nós partiremos para a normalidade", afirmou.  

Grupo reunido no Centro (Foto: EPTV Campinas) 
TSE 

No mesmo dia, mais cedo, o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Luís Roberto Barroso, voltou a defender a segurança da urna eletrônica. Durante um evento no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Acre, o ministro voltou a reafirmar que jamais foi registrada nenhuma fraude desde a implantação das urnas eletrônicas, em 1996. 

Barroso disse que a decisão sobre a adoção do voto impresso no país é do Congresso Nacional, mas considera que a medida não é segura. "Ele [voto impresso] precisa ser transportado. Estamos falando de 150 milhões de votos em um país em que muitas regiões têm problemas de roubo de carga, milícias e facções criminosas. Vamos criar um mecanismo de auditoria que vai trazer insegurança, riscos para o sistema".  

De acordo com o ministro, antes das urnas eletrônicas, urnas de lona desapareciam, votos em branco viravam votos para candidatos e "toda eleição tinha a suspeição da fraude".


Mais notícias


Publicidade