Publicidade

cotidiano

Após denúncia de agressão, mercado de Campinas afasta funcionário

Caso foi registrado na Polícia Civil na quarta-feira (22) e cliente relatou ter sido agredido por seguranças

| ACidadeON Campinas -

Homem registrou boletim de ocorrência do caso (Foto: Arquivo Pessoal)
 

Após um homem de 59 anos denunciar à Polícia Civil ter sido agredido por dois seguranças do mercado Oba Hortifrúti, no Jardim Guanabara, em Campinas, a empresa informou hoje (24) que afastou um funcionário que estaria envolvido no caso.  

As agressões teriam acontecido após o consumo de salada de frutas dentro do estabelecimento (leia mais abaixo). O caso aconteceu na quarta-feira (22), mas só foi divulgado ontem. 

Em nota oficial, ainda ontem, o mercado disse que "a ocorrência está sendo acompanhada pelo Comitê de Ética da empresa, que instituiu processo investigativo". 

Além disso, explicou em nota que "a pronto modo, o prestador de serviço foi afastado de suas atividades". Em posicionamento, a empresa reforçou também que "a rede não compactua com nenhuma forma de violência".

No boletim de ocorrência registrado pelo historiador Renato Libânio, o cliente relatou ter sido agredido por dois funcionários. Sobre isso, o Oba Hortifrúti disse que desconhece a outra pessoa apontada. 

"Em nosso quadro há apenas um prestador de serviço - o qual foi afastado imediatamente", disse. Hoje ainda, um grupo de manifestantes se reuniu em frente ao mercado em protesto ao ocorrido.  

Ato realizado hoje em frente a mercado (Foto: Reprodução)

O CASO
Ontem, Libânio registrou boletim de ocorrência no 4º DP (Distrito Policial) por lesão corporal após alegar ter sofrido uma agressão por volta de 16h no mercado da Rua Carolina Florence.

Segundo o registro policial, o homem comprou uma salada de frutas, de R$ 7,40, e consumiu o produto dentro do mercado. Ele afirma que teve autorização para isso.

No entanto, ao sair do local, já no estacionamento, dois seguranças teriam pedido a nota fiscal do produto. O documento fiscal não foi apresentado pelo historiador porque ele afirmou que os funcionários não estariam identificados e, quando questionados, não responderam quem eram.

Ainda quando o cliente estava na calçada, ele disse que foi perseguido pelos seguranças, acabou se desequilibrando e caindo. Depois disso, os seguranças teriam arrastado o homem de volta ao mercado.

No local, clientes chamaram a polícia. A Polícia Civil vai investigar o caso para verificar se houve, de fato, agressão. 

Ferimentos no braço de homem (Foto: Arquivo Pessoal)

Mais notícias


Publicidade