Publicidade

cotidiano

Campinas recebe Bolsonaro e ministros em inaugurações voltadas a pesquisa

O presidente da República participa hoje da abertura da 1ª Feira Brasileira do Nióbio e da inauguração de novas instalações do CNPEM

| ACidadeON Campinas -

 

Bolsonaro visita Sirius, superlaboratório em Campinas (Foto: Divulgação)


Campinas recebe nesta sexta-feira (8) o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e ministros para inaugurações na área de pesquisa científica. 

De manhã, a cidade recebeu o ministro de Comunicações, Fábio Faria, para inauguração de um complexo laboratorial de última geração no CPQD (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações). 

Já de tarde, o presidente vem à cidade para participar da 1ª Feira de Nióbio e inaugurar novas instalações no Sirius, superlaboratório do CNPEM (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais).  A cerimônia está prevista para as 15h15 e será acompanhada também pelo ministro da Educação, Milton Ribeiro, e outras autoridades.

PELA MANHà

No CPQD, foi inaugurado hoje um complexo laboratorial de última geração, que será referência nacional em 5G e em novas tecnologias no Brasil. 

Segundo o governo, o Complexo Laboratorial de Conectividade do CPQD reúne diversas áreas responsáveis por diferentes tipos de ensaios em equipamentos e em elementos de redes de comunicação. A inauguração faz parte dos eventos de celebração dos 45 anos do CPQD. 

Na prática, o complexo reúne vários laboratórios que realizam testes exigidos pela Anatel para as empresas que vão comercializar equipamentos de telecomunicação no país, como celulares e novos equipamentos de redes 5G que começarão a ser implantados no Brasil. O objetivo é ampliar os testes e agilizar os serviços. 

"A intenção é aumentar a interação entre essas áreas e, ao mesmo tempo abrir espaço para a oferta de novos serviços laboratoriais destinados a atender demandas decorrentes da introdução de novas tecnologias no mercado - como o 5G, por exemplo", disse o governo.  

Ministro Fábio Faria no CPQD (Foto: Helen Sacconi/EPTV)

FEIRA DE NIÓBIO 

À tarde, o presidente da República participa hoje da abertura da 1ª Feira Brasileira do Nióbio e da inauguração de novas instalações do CNPEM. 

Segundo o governo, a feira vai apresentar produtos já desenvolvidos pelas empresas em conjunto com a academia, voltados para a aplicação do mineral com intuito de contribuir com o posicionamento do Brasil no cenário mundial como referência voltada à produção, caracterização e aplicação do nióbio. 

O nióbio é usado principalmente na produção de aços especiais e superligas, sendo empregado atualmente em automóveis, turbinas de avião, gasodutos, navios, aparelhos de ressonância magnética, aceleradores de partículas, lentes e até piercings e bijuterias. 

SIRIUS 

No Sirius, acelerador de partículas brasileiro de última geração, o presidente vai acompanhar a inauguração de cinco novas linhas de luz. 

Segundo o governo, serão inauguradas 5 novas linhas de luz no Sirius. A partir de agora, o Sirius passará a contar com seis estações de pesquisa, todas inauguradas nos últimos dois anos, que vão contribuir com pesquisas de ponta em diversas áreas do conhecimento. 

Durante o evento, também serão entregues novas instalações do laboratório nacional de nanotecnologia (lnnano) e que serão dedicadas à pesquisa de Nanodispositivos e Nanossistemas que possibilitam desenvolvimento nas áreas da saúde, meio ambiente, agricultura e energia. 

Com o ministério da Educação, o CNPEM também inaugura a Ilum, escola de ciência. O projeto, financiado pelo MEC, amplia a atuação do centro na área de educação. O curso de graduação, com três anos de duração em período integral com imersão nas práticas de pesquisa dos diversos laboratórios de referência nacional do CNPEM é gratuito e pelo menos 50% das vagas serão destinadas a estudantes vindos das escolas públicas. 

NOVAS TECNOLOGIAS 

Projetado e construído por brasileiros, o Sirius é uma das fontes de luz síncrotron mais avançadas do mundo (capaz de revelar estruturas moleculares e atômicas de materiais, ação fundamental para pesquisas), e uma estrutura de pesquisa aberta às comunidades científica e industrial. 

As cinco novas estações experimentais do Sirius, conhecidas como linhas de luz, ganharam nomes inspirados na flora e fauna brasileiras: Carnaúba, Cateretê, Ema, Ipê e Imbuia. A partir de agora, essas linhas de luz passam a receber propostas de investigação de pesquisadores externos, vindos de universidades ou da indústria, nas mais variadas áreas do conhecimento.

Mais notícias


Publicidade