Publicidade

cotidiano

Polícia apura maus-tratos a bebê com queimadura em Campinas

Mãe, pai e a babá da criança devem ser ouvidos; caso aconteceu no Satélite Íris 1

| ACidadeON Campinas -

Caso foi registrado na 2ª Delegacia Seccional de Campinas (Foto: Denny Cesare/Código19)
 

*Matéria atualizada às 19h16 do dia 23 de novembro 

Os pais e a babá de uma menina de 1 ano e 9 meses encontrada com uma queimadura de 3º grau nas costas e nos glúteos devem ser ouvidos pela Polícia Civil de Campinas nos próximos dias.

O BO (Boletim de Ocorrência) foi registrado na 2ª Delegacia Seccional do município, no Jardim Londres, e o caso é apurado pelo 11º DP (Distrito Policial), no Jardim Ipaussurama.

De acordo com o delegado responsável pela apuração, Sandro Jonasson, os investigadores tentam localizar a babá e depois também devem colher os depoimentos da mãe e do pai da bebê.

O inquérito foi aberto nesta terça-feira (23), mas a criança teria sido ferida no último dia 18. A menina aguarda vaga na UTQ (Unidade de Tratamento de Queimaduras) da Santa Casa de Limeira.

O pai conta que a babá mora em uma rua próxima à família, no Jardim Satélite Íris 1 e cuida dos três filhos enquanto eles estão trabalhando. Além da mais nova, dois meninos de 9 e 5 anos também ficam sob os cuidados dela.

Segundo ele, no dia 18, a mulher falou que a menina de 1 ano e 9 meses estava com assaduras, mas que já tinha passado pomada no local. No dia seguinte, porém, a mãe viu o ferimento nas costas.

Depois disso, os dois levaram a filha para uma unidade básica, onde foi feito um curativo e recomendado que procurassem outra unidade. A queimadura de 3º grau foi constatada no Hospital da PUC.

A instituição acionou o Conselho Tutelar e esperava a transferência da bebê para uma unidade especializada em Limeira.

A suspeita dos pais é de que o ferimento tenha sido causado por água fervente, mas a babá nega que tenha feito isso com a menina. 

A secretaria municipal de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos de Campinas informou em nota que "não foi acionada para o caso", mas informou que o procedimento usual é o encaminhamento para o Conselho Tutelar após o atendimento da Saúde. 

Mais notícias


Publicidade