Publicidade

cotidiano

Paciente se revolta com demora de atendimento na UPA São José

Homem chegou a se enfurecer na recepção; GM e PM foram acionadas para controlar situação

| ACidadeON Campinas -

Homem se enfureceu com a demora (Foto: Reprodução/EPTV Campinas)

Um paciente da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) São José, em Campinas, se revoltou na noite de terça-feira (28) com a demora por atendimento na unidade. O homem, querendo ajudar a esposa que aguardava há horas, chegou a se enfurecer na recepção.

"Chama aquela p**** agora, mano", gritou (veja vídeo abaixo). Para controlar a situação, equipes da UPA acionaram a PM (Polícia Militar) e a GM (Guarda Municipal). Os agentes ocuparam a unidade armados à tarde.

Já à noite, com a chegada de reforços policiais, outros moradores se irritaram com a cena. "Porquê não trazem os médicos? Ninguém está precisando de polícia", disse um paciente.

"Tinha um moço que ficou revoltado. Ele tá aqui desde à 13h e ninguém atendeu. Aí ele quis quebrar tudo. Mas as mulheres (atendentes) não têm culpa, elas estão ali para fazer a ficha. Quem tem que atender é o médico", afirmou outra testemunha. 

PM e GM foram acionadas (Foto: Reprodução/EPTV Campinas)
APÓS A CONFUSÃO

Após a confusão, duas equipes da Guarda Municipal ainda ficaram no local. No entanto, para quem aguardava atendimento por horas o que aconteceu só piorou situação.

Os pacientes foram informados na recepção que apenas crianças e casos de emergência seriam atendidos. Uma delas, que tinha chegado 12h, teve que ir embora pra casa às 23h sem ter conseguido passar pelo médico. (Com informações da EPTV Campinas)  

OUTRO LADO 
 
Sobre o caso, a  Rede Mário Gatti de Urgência, Emergência e Hospitalar informou que "não procede a informação". Leia a nota completa:   

"O atendimento a pacientes adultos (assim como o de pediatria) na UPA São José ontem a noite estava mantido. A unidade atuou com quatro médicos: dois clínicos e dois pediatras. Nos últimos dias, aumentou em cinco vez o volume de pacientes com síndromes gripais que têm buscado as unidades de urgência e emergência do município, a grande maioria dos casos é leve. A alta demanda tem refletido no aumento da espera por atendimento. As unidades são porta aberta, atuam com classificação de risco e priorizam casos mais urgentes. Por isso, casos leves precisam aguardar mais pelo atendimento. A GM foi acionada para dar um suporte, porque houve uma agitação de alguns pacientes que aguardavam no local. O atendimento está normal nesta quarta-feira".  


Mais notícias


Publicidade