Publicidade

cotidiano

Greve de ônibus: Emdec pede liminar e prevê normalização da operação a tarde

A expectativa é de que a operação comece a ser normalizada a partir das 13h30

| ACidadeON Campinas -

Alguns motoristas pararam ônibus em meio a vias e fizeram passageiros descer (Foto: Luciano Claudino/Codigo19)

A Emdec (Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas) informou no final da manhã desta quinta-feira (27) que protocolou, junto ao TRT (Tribunal Regional do Trabalho), um pedido de liminar para "garantir a adequada operação do sistema de transporte público coletivo". 

A solicitação acontece em meio à paralisação dos ônibus de Campinas, causada por um manifesto dos motoristas após o assassinato do presidente do sindicato da categoria, na manhã de ontem (26). 

Muitos deles participam do velório do líder sindicalista, que acontece no Cemitério Parque Nossa Senhora da Conceição. O sepultamento está previsto para às 13h. 

Mais cedo, a empresa informou que de 200 linhas da cidade, 110 estavam paralisadas. A expectativa é de que a operação comece a ser normalizada a partir das 13h30. 

PREJUÍZO 

Segundo a Emdec, no final da manhã desta quinta-feira, por volta de 11h, 90% das linhas da cidade estavam em operação, porém apenas com 35% da frota operacional. 

Em nota a empresa informou: "A Emdec entende que o crime contra o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Campinas e Região, Nilton Aparecido de Maria, foi brutal e necessita de esclarecimentos e punição, dentro da lei. Mas a ocorrência não pode penalizar os usuários do transporte, que necessitam dos ônibus para a locomoção, principalmente para trabalho e questões de saúde", declarou a empresa. 

Segundo o SetCamp (Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano e Urbano de Passageiros da Região Metropolitana de Campinas), aos poucos a operação vem sendo retomada. 

Por volta de 10h40, o sindicato informou que as concessionárias prestavam atendimento parcial, com atendimento das principais linhas e com um terço da frota operando na rua. 

De acordo com o SetCamp, três garagens foram paralisadas em Campinas. Com isso, cerca de 76 mil passageiros foram prejudicados.  

Motoristas bloquearam vias da região central. (Foto: Luciano Claudino/Código 19)

MEDIDAS 

Segundo a Emdec, os terminais urbanos Central, Campo Grande, Mercado I e III, Itajaí, Shopping Dom Pedro e Shopping Iguatemi estão abertos. 

Já os terminais Barão Geraldo, Ouro Verde, Padre Anchieta, Vida Nova e Vila União estão fechados, com operação mista, fora do terminal. 

"A medida é utilizada para não prejudicar o usuário, uma vez que para entrar no terminal ele paga a passagem ao passar pela catraca e pode não ter o ônibus que ele precisa naquele momento. Por isso a operação é feita fora do terminal e o usuário paga a passagem dentro do ônibus", informou a empresa. 

Durante o início da manhã, a Emdec afirmou que conseguiu ampliar o atendimento com ônibus de outras cooperativas que não possuem ligação com o sindicato, para suprir veículos em 35 linhas principais e minimizar os prejuízos à população. 

A PARALISAÇÃO 

Motoristas de ônibus do transporte público de Campinas e região anunciaram uma paralisação na manhã desta quinta-feira (27) em protesto a morte do presidente do sindicato da categoria, que foi assassinado na manhã de ontem (26). 

Motoristas também acabaram bloqueando a Avenida João Jorge e a região do Viaduto Cury, na área central, durante no começo da manhã. Muitos passageiros que estavam nos ônibus foram obrigados a descer dos coletivos e terminar seu trajeto a pé. 

Além do transporte coletivo de Campinas, linhas metropolitanas que ligam cidades da região também foram afetadas. 

Segundo a EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), houve registro de paralisação em 16 linhas intermunicipais da região de Campinas, que atendem principalmente os municípios de Valinhos e Vinhedo na ligação com Campinas. Segundo a empresa, representantes do sindicato impediram a saída dos ônibus no início da operação. 

O Grupo SOU, também informou que "foi surpreendido nesta madrugada com uma paralisação dos motoristas nas cidades de Indaiatuba e Valinhos". A empresa lamentou o ocorrido e disse que vem buscando uma o mais breve possível.  


MOTIVAÇÃO 

A paralisação, segundo os motoristas, é uma manifestação de luto pela morte do presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários e Anexos de Campinas, Nilton Aparecido de Maria. Nilton foi morto a tiros na manhã de ontem (26), em frente a própria casa. 

Segundo familiares, por volta das 7h um carro estacionou em frente à casa, na Rua Comandante Herculano Gracioli, no Residencial Genesis, com criminosos anunciando um assalto. 

Os integrantes do carro pediram para que a esposa de Milton entrasse na casa, e em seguida ordenaram que a vítima virasse de costas. Nilton foi morto com um tiro na nuca. 

A suspeita dos investigadores é que Nilton Aparecido tenha sido executado.

Mais notícias


Publicidade