Publicidade

cotidiano

Unicamp adia retorno das aulas presenciais para 14 de março

Retomada estava marcada para 3 de março; Carnaval foi citado entre os motivos

| ACidadeON Campinas -

Imunização contra covid-19 será obrigatória para matrícula dos alunos na Unicamp em 2022 (Foto: Denny Cesare/Código 19)
 

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) anunciou na noite desta terça-feira (8) o adiamento da volta às aulas presenciais para o dia 14 de março.

O retorno estava marcado para o dia 3 do mesmo mês, mas foi remarcado "após reuniões recentes com diferentes segmentos da comunidade universitária".


Entre os grupos ouvidos pela reitoria estão diretores de unidades, representações de docentes, de funcionários e de estudantes, associações e sindicatos.

De acordo com o comunicado oficial divulgado pela instituição, a proximidade com o Carnaval também foi motivo de preocupação durante as conversas.

Conforme a universidade, a alteração também vai contribuir para a melhor adaptação das salas de aula, restaurantes, biblioteca e da moradia estudantil.


"Esse adiamento propiciará um prazo mais amplo para a adaptação às novas condições sanitárias e aos recursos tecnológicos adquiridos, garantindo um retorno seguro ao ensino presencial", detalhou o texto.

Ainda segundo a Unicamp, durante o processo de avaliação sobre a retomada a equipe responsável "esteve atenta ao cenário externo e manteve canais de escuta à comunidade, sempre consciente da necessidade de adaptações".

LEIA MAIS
Com um prato por pessoa, Unicamp reabre refeitórios no dia 14
Faculdades adiam volta ao presencial e estudantes protestam


VACINAÇÃO OBRIGATÓRIA

Para frequentar as aulas, os alunos deverão comprovar a finalização do ciclo vacinal, com duas doses ou uma em acordo com a vacina disponível.

Segundo a universidade, a medida foi aprovada em janeiro pela Cepe (Câmara de Ensino, Pesquisa e Extensão) do Consu (Conselho Universitário).

De acordo com a vice-reitoria na ocasião, a medida "tem apresentado boa aceitação e os casos pontuais de não vacinados têm sido resolvidos".

Publicidade