Publicidade

cotidiano

Campinas registra 20 mortes por acidentes de trabalho em 2021

Esta quinta-feira é lembrada como o Dia Mundial em Homenagem às Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho; Campinas teve média de 378 acidentes no trabalho por mês

| ACidadeON Campinas -

Balanço de acidentes em trabalho foi divulgado pelo MPT (Foto: Denny Cesare/ Código 19)

Um levantamento realizado pelo MPT (Ministério Público do Trabalho) aponta que Campinas teve 20 mortes por acidente de trabalho em 2021. A cidade registrou ainda um total de 4.539 acidentes de trabalho no ano passado, número que representa uma média de 378 acidentes por mês. 

Os dados são do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, desenvolvido pelo Ministério Público do Trabalho e pela OIT (Organização Internacional do Trabalho), que contabilizam o registro das chamadas CATs (Comunicações de Acidentes de Trabalho), divulgados nesta semana.

Segundo o balanço, Campinas registrou crescimento de 17,7% das ocorrências em relação à 2020. Já em relação às mortes, o aumento foi de 42,8%. 

Veja os dados de acidentes de trabalho em Campinas: 

CATs emitidas
 

2019:  5.455
2020:  3.854
2021: 4.539 (alta de 17,7%) 

Óbitos 

2019: 17
2020: 14
2021: 20 (alta de 42,8%) 

OCORRÊNCIAS 

Neste mês, um motorista de um caminhão da Sanasa se feriu após bater em uma árvore e tombar o veículo na via. Ainda neste ano, um trabalhador sofreu uma queda de cerca de 3 metros e teve o ombro fraturado em janeiro, durante uma obra de construção de hospital no Centro de Campinas. 

Em 2020, um dos acidentes fatais registrados aconteceu em uma obra do Corredor BRT, quando um caminhão com caçamba caiu sobre um trabalhador. 

GASTOS 

Segundo o levantamento do MPT, em 2021 em Campinas foi identificado um gasto previdenciário com auxílios-doença de R$ 75,8 milhões e R$ 356,5 milhões com aposentadorias por invalidez. 

Entre os setores com maior índice de emissão de Comunicação de Acidente de Trabalho no ano passado, em primeiro lugar está o segmento hospitalar. Em seguida, aparece o setor de coleta de resíduos. 

Confira todosos setores com maior emissão de CAT em 2021: 

- Atividades de atendimento hospitalar - 9%
- Coleta de resíduos não perigosos - 6%
- Educação superior e pós-graduação - 5%
- Serviços de catering, bufê e outros serviços de comida preparada - 4%
- Gastos da Previdência com Auxílio-doença (2021) - 75,8 milhões
- Gastos previdenciários com aposentadoria por invalidez (2021) - 356,5 milhões 

EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS 

Esta quinta-feira (28) é lembrada como o "Dia Mundial em Homenagem às Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho". Neste mesmo dia, em 1969, 78 trabalhadores morreram na explosão de uma mina no estado da Virgínia, nos Estados Unidos. 

"A data é relevante para lembrar a sociedade da importância de uma cultura de prevenção de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. Vemos a saúde dos trabalhadores se deteriorando, ocasionando doenças laborais, e a ânsia por desempenho e rápida entrega, que resulta em mais acidentes", disse o coordenador regional da Codemat (Coordenadoria Nacional de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho) na 15ª Região, procurador Silvio Beltramelli Neto. 

"As ocorrências vêm crescendo de forma preocupante, quase atingindo os níveis anteriores à pandemia", afirmou. 

NO BRASIL 

Segundo o levantamento, nos últimos dez anos morreram 22.954 pessoas em decorrência de acidentes de trabalho no Brasil. 

Entre 2012 e 2021, foram registradas em todo o país 6,2 milhões de Comunicações de Acidentes de Trabalho e o INSS concedeu 2,5 milhões de benefícios previdenciários acidentários, incluindo auxílios-doença, aposentadorias por invalidez, pensões por morte e auxílios-acidente. No mesmo período, o gasto previdenciário ultrapassou os R$ 120 bilhões somente com despesas acidentárias. 

Nesses dez anos foram perdidos, de forma acumulada, cerca de 469 milhões de dias de trabalho. Calculado com a soma de todo o tempo individual em que os afastados não puderam trabalhar, o número é uma das formas de medir, por aproximação, os prejuízos de produtividade para a economia. 

SETORES 

Em âmbito nacional, se considerado o conjunto de ocupações e a totalidade de comunicações de acidentes de trabalho, os profissionais do setor de atendimento hospitalar continuam a ter a maior quantidade de notificações em números absolutos e percentuais no biênio 2020-2021. 

Com a pandemia, técnicos de enfermagem não apenas sofreram a maior quantidade de acidentes notificados em relação a outras ocupações, mas passaram de 6% total no biênio 2018-2019 (59.094 CATs) para 9% do total (72.326 CATs) no biênio 2020-2021, um aumento de 22%. 

Outros segmentos, como o de supermercados e hipermercados, administração pública em geral e de restaurantes e estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas figuram entre aqueles que registram maiores ocorrências de acidentes e doenças ocupacionais entre os municípios do interior paulista.

Mais notícias


Publicidade