Publicidade

cotidiano

Agência do INSS de Indaiatuba fecha e greve de servidores completa 40 dias

Paralisação afeta perícias e atendimentos; veja a adesão das greves nas agências da região

| ACidadeON Campinas -

Servidores do INSS anunciam greve em Indaiatuba (Foto: Reprodução/EPTV)

A greve de servidores do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) completa 40 dias nesta segunda-feira (2). A paralisação afeta agências da região de Campinas e hoje o Sinsprev (Sindicato dos Servidores e Trabalhadores Públicos em Saúde, Previdência e Assistência Social no Estado de São Paulo) confirmou o fechamento da unidade de Indaiatuba. 

Segundo o sindicato, a agência, que funcionava com atendimento parcial, teve aumento na adesão da greve por trabalhadores da área administrativa, e com isso a gerência decidiu pelo fechamento da agência. 

"Estavam com atendimento parcial, mas ainda sim conseguindo manter patamar mínimo de atendimento. A perícia estava em greve e hoje havia a informação de que os peritos iam voltar, mas aumentou a adesão dos trabalhadores administrativos e a gerência diz que não tem condições de abrir a agência, não tem quadro suficiente de servidores", explicou o diretor regional do Sinsprev, Cristiano Machado. 

Ainda segundo o sindicato, até a última sexta-feira (29) todos os médicos peritos estavam paralisados. 

A agência de Indaiatuba realizava o número médio de 30 perícias médicas por dia, antes da greve. Agora, os beneficiários precisam reagendar as perícias, que estão sendo marcadas a partir de junho. 

GREVE DE DUAS CATEGORIAS 

Servidores do INSS aderiram à paralisação nacional que começou no dia 23 de março. Uma semana depois, no dia 30, médicos peritos também iniciaram um movimento de paralisação. 

Tanto médicos como servidores reivindicam melhores condições de trabalho e reajuste salarial, entre outras questões (veja mais abaixo). 

Em Campinas, desde o dia 23 a agência da Avenida das Amoreiras, no Chácaras Campos Elíseos, foi fechada e os serviços foram suspensos. Já na agência do Centro, na Avenida Barreto Leme, a paralisação é parcial e parte das perícias estão sendo realizadas. 

VEJA O QUADRO GERAL DE ADESÃO DA GREVE NA REGIÃO: 

- Campinas: agência Centro adesão parcial/ agência Amoreiras adesão total 

- Americana: adesão parcial nos serviços e total nas perícias 

- Sumaré: adesão total em serviços e perícias 

- Indaiatuba: adesão total nos serviços e nas perícias 

- Santa Bárbara dOeste- adesão parcial 

- Hortolândia: adesão total 

- Valinhos: adesão parcial 

- Socorro: adesão total 

- Amparo: adesão parcial 
  
MOTIVAÇÕES 

Segundo o Sinsprev, o ato visa reposição salarial emergencial de 19,9%. O sindicato também pede melhores condições de trabalho, realização de um novo concurso e diz ser "contra o desmonte do serviço público". 

Em carta aberta, o sindicato cita ainda que os trabalhadores do INSS estão há 5 anos sem reposição das perdas salariais devido à inflação, e que o instituto perdeu aproximadamente 50% do seu quadro de servidores nos últimos anos. 

Já entre as principais reivindicações dos peritos está a fixação do número máximo de 12 atendimentos presenciais como meta diária, além da recomposição salarial de 19,99% para repor perdas de 2019 a 2022. 

No ofício encaminhado ao Ministério do Trabalho e Previdência, a Associação Nacional dos Peritos Médicos Federais cita "a omissão no cumprimento de promessas feitas à categoria, situação degradante de carreira, extrema insatisfação e revolta da categoria, frustração das negociações e postura inerte do governo federal em relação aos pleitos da categoria". 

O INSS é procurado pela reportagem desde o início das paralisações, mas não se manifestou até agora.

Mais notícias


Publicidade