Publicidade

cotidiano

Temperaturas devem cair a partir de quinta-feira em Campinas

Apesar disso, Cepagri diz que maio deve ter índices acima da média; veja previsão até julho

| ACidadeON Campinas -

Termômetros devem ter queda acentuada a partir de quinta (Foto: Denny Cesare/Código 19)
 

O mês de maio deve começar com uma queda acentuada nas temperaturas a partir de quinta-feira (5) em Campinas, segundo o Cepagri (Centro de Pesquisas Meteorológicas Aplicadas à Agricultura), da Unicamp.

Conforme o meteorologista do Centro, Bruno Bainy, o declínio deve durar alguns dias e ser substituído por um período de ascensão, a exemplo das condições registradas durante e após o feriadão da Páscoa, em abril.

"Na quinta, o dia amanhece com temperaturas em torno de 10°C a 11°C. É o equivalente ao episódio do declínio na Páscoa: deve durar alguns dias, mas tem indicativos de que a temperatura volta a reagir", diz.

Com isso, a semana seguinte, entre os dias 9 e 15, já deve ter temperaturas acima das médias históricas esperadas para o quinto mês do ano. Essa expectativa, inclusive, deve perdurar até julho, ainda segundo Bainy.

"A média de maio é mais baixa do que as de abril, março, fevereiro e janeiro. E é mais alta do que as de junho e julho. Então, quando digo que vai ficar acima, é porque vai superar o esperado para essas épocas", disse.

O boletim detalha ainda que maio "seguirá com tendência de temperaturas acima da média" nos últimos 20 dias, assim como os próximos dois meses do ano, tipicamente mais frios, e prevê que as marcas serão superadas em até 0,4°C.

MÉDIAS HISTÓRICAS

A temperatura média mínima esperada para maio em Campinas é de 14,3°C, segundo o Cepagri. Já a média máxima é de 25,8°C, o que deixa a média total em 20°C.

Já em junho, a previsão é de média mínima de 12,9°C, média mensal de 19°C e máxima de 25,1°C. Em julho, por fim, as médias devem ficar em 12,4°C no índice mínimo, 18,9°C no mensal, e de 25,4°C no máximo.

A previsão é feita com base no perído histórico de 1991 a 2021 e indica ainda chuva de 62 milímetros em maio, com média de 4,7 dias acima de 1 mm. O problema é que a região vive um período de estiagem (veja mais abaixo).

LEIA TAMBÉM
Campinas fecha abril com temperatura máxima acima da média


POUCA CHUVA

No relatório completo sobre as condições meteorológias do mês, o Cepagri alerta para a necessidade de consumo responsável da água das bacias que atendem a RMC (Região Metropolitana de Campinas) devido à escassez de chuvas.

"Sendo esse um período em que as chuvas são mais escassas, e tendo um primeiro quadrimestre de 2022 com chuvas abaixo da média, a perspectiva de pouca chuva para os próximos meses deve servir de alerta", argumenta.

Na previsão com base nas médias históricas, além dos 62 mm de chuva em maio, o Centro espera ainda 45,4 milímetros ao longo de junho e 36,7 mm no mês de julho, com médias de 3,8 e 3,1 dias acima de 1 mm, respectivamente.

Para a síntese prognóstica sazonal, foram consultados os modelos de previsão climática do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), do Ecmwf (Centro Europeu de Previsão de Médio Prazo), e o prognóstico climático do Iri (Centro Internacional de Clima e Sociedade da Universidade de Columbia).

Abril teve 40,1 milímetros de chuva, volume 59,3% abaixo da média histórica, de 67,6 milímetros. Além disso, o mês deveria ter, em média, 5,7 dias com chuva acima de 1 milímetro, mas teve apenas um, com um temporal.

O QUE DIZ O PCJ


Conforme o coordenador de projetos do Consórcio das Bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, José Cesar Saad, a estiagem preocupa por conta dos baixos níveis dos reservatórios que abastecem a região e o estado.

"No Sistema Cantareira, que é nossa grande reserva, a chuva está em 16% da média histórica. Os institutos de meteorologia indicam que maio, junho e julho terão chuvas abaixo da média histórica, o que indica uma estiagem severa", diz.

Mais notícias


Publicidade