Publicidade

cotidiano

Empresa de carros aplica suposto golpe do cashback em Campinas

Vítimas relataram que tinham a promessa de receber 3% do valor do contrato; setores do comércio adotaram a prática do "dinheiro de volta"

| ACidadeON Campinas -

Empresa funcionava em um condomínio empresarial, mas teria deixado o local (Foto: Reprodução/EPTV Campinas)
 

Uma empresa de aluguel de carros por assinatura teria aplicado golpes do cashback em clientes de Campinas. À EPTV Campinas as vítimas relataram que tinham a promessa de receber 3% do valor do contrato por mês da WinMove.

O cashback tem sido adotado por diversos setores do comércio, que prometem o retorno de um percentual do valor pago pelo produto após a finalização da compra. A prática é legal, mas já foi alvo de denúncia na região (veja abaixo).

Neste caso, segundo a alegação dos clientes, a empresa alugava os veículos de outras locadoras e faziam o aluguel novamente, para outras pessoas. Entretanto, ao final do contrato, a empresa teria deixado de pagar as fornecedoras.

Devido à falta de pagamento, as empresas registraram boletins de ocorrência e tentaram reaver os veículos dos consumidores. As vítimas tentaram contato com os funcionários da WinMove, mas, por enquanto, não tiveram sucesso.

Segundo um dos denunciantes, que não quis se identificar, no fim do contrato de 48 meses de um aluguel no valor de R$ 25.500, ele deveria receber de volta cerca de R$ 36.720.

Entretanto, no dia 24 de abril descobriu que o carro que tinha alugado estava com anotação de restrição como estelionato. Com isso, entrou na Justiça com um pedido liminar para que o veículo não seja apreendido.

"Nesse mês foi uma pessoa pra retirar o veículo em casa. Porém, eu tinha o boletim de ocorrência, tinha entrado com processo na Justiça, por isso permaneceu na minha posse", disse ele, que teme sair com o carro na rua.

Já no caso de outro cliente, o valor do aluguel foi de R$ 30.990. Em 25 de abril, ele recebeu uma ligação de outra locadora sobre a devolução do veículo. Um boletim de ocorrência também foi registrado.

"Eu fui atrás da empresa e disseram que estavam tendo problemas financeiros com os fornecedores e que iriam resolver os nossos problemas. Isso tem mais de três semanas", relata o homem.

SEM RESPOSTAS

A reportagem da emissora tentou contato com a empresa WinMove, mas não obteve retorno. Em uma rede social, no entanto, uma postagem feita na semana passada orienta os clientes a não saírem ou entregarem os veículos.

"Orientamos que não seja feita a entrega dos veículos sem a vistoria no local indicado pela WinMove, perante uma autoridade policial, ou ainda na presença de um oficial de Justiça", diz um trecho da publicação. 

No condomínio empresarial que sediava o escritório da WinMove, a reportagem foi informada que a a empresa não funciona mais no local. 

ORIENTAÇÃO

O advogado Cássio de Ávila Ribeiro Júnior entende que houve quebra de contrato e orienta que os consumidores que enfrentam esse tipo de situação procurem ajuda profissional para tentar uma solução.

"Na maior parte das vezes vai restar ao advogado ingressar com o processo para que ou o contrato seja cumprido de forma integral, o que havia sido pactuado, ou vai entrar pela rescisão desse contrato, pedindo não só o dinheiro de volta, mas eventuais perdas e danos que ocorreram em razão da quebra" opina ele.

HORTOLÂNDIA E SUMARÉ

Esta não é a primeira denúncia envolvendo golpes usando esta prática. No mês passado, um suposto golpe do cashback em Hortolândia e Sumaré, também praticado por uma locadora de veículos, passou a ser investigado pela polícia.

A abertura da apuração foi confirmada em nota pela SSP (secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo) após o registro de ao menos três boletins de ocorrência.

Os contratos de aluguel eram feitos com a promessa de que os usuários poderiam pegar o dinheiro de volta após o uso, ou trocar o carro por um mais novo e renovar o contrato.

Nos estabelecimentos sediados nas duas cidades, porém, nada foi encontrado, a não ser alguns documentos e móveis. Os perfis nas redes sociais da locadora também foram desativados.

Mais notícias


Publicidade