Publicidade

cotidiano

Como o envelhecimento pode afetar nosso foco?

Falhas na memória, concentração ou atenção podem estar relacionadas com a idade ou com a falta de sono

| ACidadeON Campinas -

  

Werther Busato. (Foto: Divulgação)

Assim como você pode não correr tão rápido ou pular tão alto quanto na adolescência, o poder cognitivo do seu cérebro isto é, sua capacidade de aprender, lembrar e resolver problemas diminui com a idade. Você pode achar mais difícil evocar fatos já conhecidos ou dividir sua atenção entre duas ou mais atividades ou fontes de informação. Essas mudanças afetam sua capacidade de se concentrar, então você pode se distrair mais facilmente do que quando era mais jovem.

A perda auditiva que muitas vezes acompanha o envelhecimento torna mais difícil distinguir a fala em um ambiente ruidoso. Como a audição exige mais concentração do que o normal, mesmo a perda leve da capacidade de foco pode afetar a compreensão da fala.

A maioria das pessoas começa a notar mudanças quando entram nos 50 e 60 anos. Embora essas mudanças possam causar consternação, a maioria dos problemas de memória e pensamento relacionados à idade não se originam de uma doença cerebral subjacente, como a doença de Alzheimer. Em vez disso, o que parece ser um problema de memória pode simplesmente refletir uma velocidade de processamento mais lenta e má codificação e recuperação de novas memórias como resultado da diminuição da atenção. No entanto, mesmo que seu cérebro seja mais lento para aprender e recordar novas informações, sua capacidade de entender o que você sabe e formar argumentos e julgamentos razoáveis permanece intacta.

Muitas dessas limitações são reversíveis e relacionadas à falta de sono, mas as mudanças estruturais que ocorrem em seu cérebro à medida que você envelhece também podem explicar alguns desses desenvolvimentos. Regiões do cérebro envolvidas com o processamento da memória, como o hipocampo e principalmente os lobos frontais, sofrem alterações anatômicas e neuroquímicas ao longo do tempo.

O resultado é que, à medida que você envelhece, leva mais tempo para absorver, processar e lembrar de novas informações. A perda natural de receptores e neurônios que ocorre com o envelhecimento também pode dificultar a concentração. Portanto, você não apenas aprende as informações mais lentamente, mas também pode ter mais problemas para se lembrar delas porque, em primeiro lugar, não as aprendeu completamente. Com o processamento mais lento, os fatos mantidos na memória de trabalho podem se dissipar antes que você tenha a chance de resolver um problema.

Além disso, a capacidade de realizar tarefas que envolvem funções executivas diminui com a idade. Muitas pessoas aprendem a compensar essas mudanças confiando no hábito na maior parte do tempo e dedicando um esforço extra para se concentrar em novas informações que estão tentando aprender.

Mesmo as dores de envelhecer podem afetar o foco. A dor em si é uma distração, e alguns dos medicamentos usados para tratá-la também podem afetar a concentração.

Caso você venha percebendo algum destes sintomas, como falhas na memória, concentração ou atenção, os quais são os principais componentes do foco, e ao qual chamamos de Distúrbio Cognitivo Leve, pode estar relacionada a idade como pode também ser potencializado pela qualidade do seu sono.

Aliás, como anda seu sono? Avalie isto e se for necessário procure um profissional médico especializado em Qualidade de Vida e experiência no pilar da qualidade do sono para lhe auxiliar, pois será importante na prevenção da progressão deste distúrbio e mesmo de muitos outros associados a esta condição.

Werther Busato: médico clínico geral com especialização em Medicina Preventiva, Nutrologia e Medicina do Sono e certificação profissional em Programas de Qualidade de Vida. Na carreira corporativa possui vasta experiência na gestão de promoção e prevenção de saúde individual e coletiva em grandes empresas.


Publicidade