Aguarde...

cotidiano

Mototáxi: motociclistas higienizam motos, mas esquecem álcool em gel

Novo serviço de mototáxi começou a funcionar no dia 19 em Campinas, após polêmica na Justiça e recomendação da Emdec de evitar uso

| ACidadeON Campinas

Motociclistas devem seguir recomendações de higiene em meio a pandemia do coronavírus (Foto: Sarah Brito/ACidade ON Campinas) 

Em tempos de coronavírus, item essencial para manter-se protegido é o álcool em gel. Ainda mais para quem precisa trabalhar na rua, como os motociclistas. Ouvimos três parceiros do aplicativo Picap, novo serviço de mototáxi de Campinas que começou a funcionar na última quinta-feira (19), para contar como estão fazendo para se proteger e proteger os clientes. 

O aplicativo começou a operar em meio a polêmica na Justiça e recomendação da Emdec (Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas) para evitar o uso do serviço, pois o capacete compartilhado pode ser um vetor de contaminação.  Os motociclistas afirmaram que estão higienizando a moto com álcool e também os capacetes. Eles ainda escolheram o modelo que tem uma abertura no maxilar, com viseira de plástico. Isso também para evitar risco maior de contaminação. 

No entanto, os três motociclistas esqueceram o álcool em gel e não estavam com ele na corrida. "Tô me protegendo, passo álcool em gel frequentemente na mão. Só que esqueci em casa. Mas passo também na moto, no acelerador", disse o motociclista Luciano Assis da Silva, de 28 anos.  

Já Felipe da Silva Fagundes, de 23 anos, contou que também esqueceu o produto em casa porque ainda está se habituando a nova medida. "Eu ando com álcool em gel, mas deixei porque saí correndo, fui levar um rapaz no aeroporto. Mas passo tudo certinho, higienizo o capacete também".  

Ele falou que é chato ter que passar, mas que é preciso. Ele tem feito o serviço de mototáxi no período em que não tem entregas de comida. "Tô preocupado com o vírus, mas temos que continuar trabalhando", disse.  



Outro motociclista que também faz o contraturno de delivery e estava sem álcool em gel, mas está se protegendo, é Renato Pereira Santos, de 33 anos. "O capacete optei pelo aberto, porque são muitos passageiros que vão usar. É uma medida que tomei". 

A Picap foi procurada para comentar o caso e disse que está orientando os motociclistas a estarem com o material apto para uso, o que inclui a limpeza destes. "Com a pandemia do coronavírus, devem seguir, para segurança própria e dos usuários, todas as recomendações das autoridades sanitárias, mantendo capacetes e a moto higienizados", disse a empresa em nota.

Mais do ACidade ON