Aguarde...

cotidiano

Procon fiscaliza venda de álcool gel em Campinas

Os fiscais estiveram em três estabelecimentos, em diferentes regiões da cidade, e constataram a comercialização de álcool em embalagens fracionadas e sem informação de rotulagem em dois deles

| ACidadeON Campinas

Fiscalização está de olho no comércio de álcool em gel. (Foto: Divulgação/ Prefeitura de Campinas)

Fiscais do Procon de Campinas fizeram uma fiscalização na venda de álcool em gel um dos principais itens de prevenção no combate ao novo coronavírus. Com ajuda da Guarda Municipal os fiscais fizeram uma operação para combater a venda irregular de álcool em estabelecimentos da cidade. As diligências foram feitas a partir de denúncias ao órgão de defesa do consumidor.  

Os fiscais estiveram em três estabelecimentos, em diferentes regiões da cidade, e constataram a comercialização de álcool em embalagens fracionadas e sem informação de rotulagem em dois deles.  
 
LEIA TAMBÉM 
Confira as últimas notícias sobre o coronavírus em Campinas e região
Vacinação contra gripe começa hoje; veja locais
Quarentena começa hoje em Campinas; veja o pode funcionar     


"É importante que os consumidores não comprem álcool ou álcool gel sem rotulagem. Os consumidores que identificarem a venda irregular devem denunciar nos canais de atendimento do Procon, afirmou a diretora do órgão Yara Puppo.  

No rótulo do álcool deve constar nome do fabricante, composição, validade, lote, data de fabricação, informação de risco à saúde e segurança do consumidor e nome do responsável técnico.  

O Procon orienta, ainda, que os consumidores não comprem álcool em gel para churrasqueira com a intenção de prevenção ao  
coronavírus. "O álcool gel 70% está indicado como antisséptico para higienização das mãos. Neste caso, e na pandemia de Covid 19, a eficácia do produto é fundamental, então não podemos permitir a venda do produto quando não há garantia de qualidade e segurança, pois ao usar os produtos, as pessoas podem sentir-se protegidas", explicou Cléria Maria Moreno Giraldelo, chefe do setor de Vigilância Sanitária de Produtos de Interesse à Saúde.  

Ela alertou, também, que, além de comprometer a qualidade, o armazenamento e a manipulação do álcool podem trazer risco de incêndio, por se tratar de um produto inflamável.  

As empresas fiscalizadas nesta sexta-feira serão autuadas e poderão ser multadas. O valor da multa varia de 200 Ufics (Unidades Fiscais de Campinas) a 3 milhões de Ufics. Cada Ufic equivale a R$ 3,6161.  

As denúncias podem ser feitas pelo telefone 151 ou pela internet, no site www.procon.campinas.sp.gov.br.

Mais do ACidade ON