Aguarde...

cotidiano

Paciente com covid-19 que deixou hospital segue em quarentena

As notificações atendidas pelo hospital foram informadas pela infectologista Irene da Rocha Haber.

| ACidadeON Campinas

Fachada do Hospital da PUC-Campinas. (Foto: ACidade ON Campinas)

O Hospital da PUC-Campinas informou, no final da manhã desta terça-feira, por meio de uma live pelo Facebook, que a unidade atende 23 casos suspeitos notificados de coronavírus. Destes, apenas um foi confirmado. Trata-se de uma paciente que recebeu alta ontem (23), após 14 dias internada. Hoje Campinas confirmou dez casos da doença (leia mais aqui).

As notificações atendidas pelo hospital foram informadas pela infectologista Irene da Rocha Haber. Ela afirmou que dentro dos 23 casos suspeitos houve quatro internações. Dois pacientes receberam alta e dois seguem internados, cujos quadros são considerados estáveis.  
 
LEIA TAMBÉM 
Confira as últimas notícias sobre o coronavírus em Campinas e região
  

Questionada sobre a possibilidade dos sintomas se manifestarem novamente na paciente que foi liberada após testar positivo, Irene respondeu que há sim relatos de infectado curados que reapresentaram os sintomas. Por isso as recomendações para a paciente tratada pela unidade é que ela permaneça em isolamento domiciliar por ao menos 14 dias, a partir de hoje.  

"A gente não conhece 100% a doença, é um vírus novo e a gente está aprendendo junto com a pandemia. A paciente foi mantida por mais 14 dias em isolamento domiciliar depois desses 14 dias que ela ficou internada. Outro paciente que teve alta também está orientado a ficar em quarentena, já que ele ainda não foi confirmado pra Covid-19", explicou.  

A especialista acrescentou ainda que o hospital vem estudando maneiras de enfrentamento da doença, de modo a proteger os profissionais de saúde, bem como os pacientes. "Estamos utilizando todos os equipamentos de proteção individual recomendada pelo Ministério da Saúde, utilizando as normas técnicas da Anvisa. Capacitando os profissionais para que os equipamentos sejam utilizados da forma correta", ponderou.  

O hospital alerta para que a população evite ir até a unidade. A presença só se faz necessária em casos de sintomas graves da doença, como febre alta e tosse seguida de falta de ar. Aqueles com sintomas leves devem se tratar em casa.  

O Pronto Socorro SUS (Sistema Único de Saúde) segue com atendimento em casos suspeitos, quando há síndrome respiratória, tratamentos de pacientes oncológicos, cardiológicos e pacientes com problemas renais. Além disso, o atendimento de gestante permanece, bem como o procedimento de pré-natal. (Com supervisão de Luciana Félix)

Mais do ACidade ON