Aguarde...

cotidiano

Arquidiocese ignora Bolsonaro e mantém portas fechadas

Presidente editou decreto de calamidade pública para inserir atividades religiosas como atividade essencial. Arquidiocese de Campinas manterá igrejas fechadas até 12 de abril

| ACidadeON Campinas

Igrejas de Campinas vão permanecer fechadas até 12 de abril (Foto: Luciano Claudino/Código 19)

Mesmo após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) incluir atividades religiosas como serviços essenciais, as igrejas católicas de Campinas vão continuar de portas fechadas. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (26), pela Arquidiocese de Campinas. A medida dura, pelo menos, até o dia 12 de abril.

O presidente editou o decreto de calamidade pública nesta quinta-feira. A mudança, publicada no Diário Oficial da União, passa a incluir "atividades religiosas, de qualquer natureza" como atividade essencial - que atualmente incluem serviços prestados por mercados e bancos, por exemplo.  
 
LEIA TAMBÉM 
Confira as últimas notícias sobre o coronavírus em Campinas e na região
"Disque-coronavírus" de Campinas tem alta demanda e apresenta falhas


Com a decisão da Arquidiocese de não seguir a mudança do decreto, as celebrações e missas continuam suspensas até o dia 12 de abril em Campinas. A medida é uma forma de conter o avanço da pandemia de novo coronavírus (covid-19). Campinas atualizou hoje os casos que chegaram a 16 confirmados e investiga outros 441.

ARQUIDIOCESE

Em nota divulgada hoje cedo, o arcebispo de Campinas, Dom João Inácio Müller, confirmou que as igrejas do município não irão abrir as portas, mesmo diante do novo decreto do presidente. O arcebispo pediu também que os fiéis mantenham distanciamento social neste momento.

"Neste tempo, somos conclamados a cuidar de nós e dos outros de uma maneira ímpar; mantendo distanciamento social. Este é um modo de sermos servos de todos. Como nunca, sabemos que a vida é dom frágil e compromisso de todos por todos", escreveu em nota. 

Entre as determinações do arcebispo, além de manter as igrejas fechadas, estão a dispensa temporária de funcionários, a celebração privada da Santa Missa pelos presbíteros e que mosteiros, seminários e comunidades religiosas realizem celebrações fechadas, sem a presença do público externo.

Dom João determina também que as celebrações realizadas durante a Semana Santa sejam transferidas para setembro, próximo à Festa da Exaltação de Santa Cruz.

CASOS

No Brasil, são 2.611 casos e 63 mortes confirmadas pelo novo coronavírus, segundo dados divulgados na manhã desta quinta-feira.

Mais do ACidade ON