Aguarde...

cotidiano

Jonas diz que igrejas seguem fechadas em Campinas

Após novo decreto de Bolsonaro, Campinas vai seguir recomendações do Ministério da Saúde de evitar aglomerações

| ACidadeON Campinas

Igrejas deverão permanecer sem cerimônias (Foto: Thiago Rovêdo/ACidade ON) 

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), afirmou nesta quinta-feira (26) que as igrejas de Campinas seguem proibidas de realizar cultos ou missas presenciais. Também nesta quinta, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) incluiu atividades religiosas como serviços essenciais e que, portanto, podem abrir normalmente.

A mudança, publicada no Diário Oficial da União, passa a incluir "atividades religiosas, de qualquer natureza" como atividade essencial - que atualmente incluem serviços prestados por mercados e bancos, por exemplo.

Jonas explicou que, na quarentena de Campinas, não há obrigação de fechar igrejas, mas sim, de evitar aglomerações.

"A parte espiritual das pessoas é importante, mas no decreto presidencial diz que tem que seguir normas do Ministério da Saúde. O meu decreto não manda fechar igrejas, mas sim evitar aglomerações. Eu não vejo como fazer culto ou fazer missa sem fazer aglomeração", disse.

Em Campinas, mesmo após o presidente incluir atividades religiosas como serviços essenciais, as igrejas católicas vão continuar de portas fechadas.

A medida é uma forma de conter o avanço da pandemia de novo coronavírus (covid-19). Campinas atualizou hoje os casos que chegaram a 16 confirmados e investiga outros 441.

"A prudência manda continuarmos como está", finalizou Jonas em uma live no Facebook durante a tarde desta quinta-feira (26).

Mais do ACidade ON