Aguarde...

cotidiano

Covid-19: tendas da Unicamp atendem 20 pacientes por dia

Pronto Atendimento montado em tendas já recebeu cerca de 100 pacientes com suspeita do novo coronavírus

| ACidadeON Campinas

 

Pronto Atendimento foi montado para atendimento de pacientes com suspeitas de covid-19 (Foto: Denny Cesare/ Código 19)

Levantamento feito pelo HC (Hospital de Clínicas), da Unicamp, em Campinas, apontou que em uma semana de funcionamento as tendas montadas do lado de fora do hospital já atenderam cerca de 100 pacientes com a suspeita do novo coronavírus. Desse total de casos atendidos, a taxa de internação chegou a 10%. 

O atendimento no local começou neste mês, e a média de atendimento diário é de 20 pacientes - todos com sintomas similares ao da doença. Segundo a Unicamp, o local tem capacidade para atendimento de até 250 pacientes por dia, número que pode ser ampliado conforme a necessidade.   

LEIA TAMBÉM:  
Covid-19: exames no HC ficarão prontos em até 48 horas 
Unicamp fará 180 mil testes para diagnóstico da covid-19   
HC da Unicamp recebe R$ 1 milhão para combate a covid-19 

Batizado de "Pronto Atendimento Covid-19" o local foi montado em parceria com a ONG Expedicionários da Saúde. A estrutura conta com 900m², e 10 consultórios, sendo duas salas de urgência e isolamento. O espaço funciona das 8h às 18h, todos os dias da semana, para pacientes acima de 14 anos.  

COMO FUNCIONA 

Desde o dia 23 de, até o início do funcionamento do PA (Pronto-Atendimento), a triagem de pacientes suspeitos de coronavírus estava sendo feita em tendas do Exército. Com o novo local, as tendas do Exército passaram a receber casos encaminhados do PA, e funcionando para casos de pediatria. 

Segundo o coordenador do Pré-Atendimento, Ricardo Fraga, o novo local foi criado para separar os fluxos de atendimento do HC, que foi considerado Hospital Vermelho- sendo referência para casos graves na região de Campinas. A cidade conta atualmente com 70 casos confirmados da doença, sendo 4 óbitos, e ainda 924 casos em investigação. Já o HC contabiliza 12 casos positivos, e 307 suspeitos. 

"É um atendimento esquematizado para diferenciar os fluxos de atendimento, com áreas específicas para ele ser feito de forma adequada. Sem isso, o controle fica muito mais difícil", afirmou o coordenador.  

O fluxo é esquematizado desde a recepção, com uma tenda montada logo na entrada, com profissionais que fazem a triagem de pacientes e os equipam com máscaras para evitar o contágio.  

Na estrutura atendem de três a quatro médicos por período, que contam com auxílio de profissionais da Unicamp, dos médicos expedicionários e voluntários. 

PROCURA  

Segundo supervisor do HC, Antônio Gonçalves Filho o local ainda deve receber pacientes encaminhados, e a orientação é que pacientes procurem atendimento nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde) próximas de onde moram, ou até mesmo, por meio de atendimento por telefone. 

"Ainda indicamos para que as pessoas com sintomas iniciais procurem atendimento nas unidades. As tendas devem funcionar recebendo encaminhamento de UPAs, UBSs e hospitais, para evitar a contaminação", afirmou. 

O médico ainda indica a pacientes com sintomas que procurem orientação remotamente por um canal de atendimento criado por voluntários acadêmicos, pelo número (19) 3521-9130, ou ainda pelo 136, portal de atendimento do Ministério da Saúde. 

EXAMES  

Desde o último dia 1º a Unicamp está habilitada a realizar exames para diagnósticos do coronavírus. A autorização foi dada pelo Instituto Adolfo Lutz, e a estimativa inicial era de ter capacidade para realizar cerca de 300 testes por semana, que devem ficar prontos em até 48 horas.  

Os exames, no entanto, não estão sendo realizados em todos os pacientes atendidos pela tenda, somente em casos de internação.
"Por enquanto ainda não há capacidade para realização de exames em larga escala. Os testes estão sendo prioridade para pacientes internados, em casos mais críticos e profissionais da saúde, que tem um risco de contaminação muito grande", afirmou o coordenador do Pronto Atendimento de Covid-19. 


Mais do ACidade ON