Aguarde...

cotidiano

Em meio à pandemia, Campinas tem 599 profissionais de saúde afastados

Parte dos profissionais pertencem ao grupo de risco ao novo coronavírus e outra, minoria, está com sintomas gripais. Vale destacar que a cidade não tem confirmação de profissional infectado pela doença

| ACidadeON Campinas

Na Rede Mario Gatti, o quadro de funcionários da área da saúde afastados chega a 183 (Foto: Denny Cesare/Código19)

Em meio à pandemia do novo coronavírus, Campinas tem 599 profissionais da saúde afastados na rede pública municipal. Segundo levantamento da Secretaria de Saúde, 416 são servidores de centros de saúde e pronto-atendimentos da cidade. Já na Rede Mário Gatti, que inclui os hospitais Ouro Verde e Mário Gatti, o quadro de funcionários da área da saúde afastados chega a 183.  

A maioria dos afastamentos, segundo o secretário de Saúde, foi para atender a medida de prevenção para profissionais da saúde que têm mais de 60 anos e estão em grupos de risco para o trabalho de enfrentamento à covid-19. Já outra parte é composta por servidores que apresentaram sintomas gripais. 

Ele não soube afirmar quantos profissionais estariam afastados com sintomas. Além disso, vale destacar que Campinas não possui nenhum profissional de saúde confirmado com a doença. 

O número de afastamento representa cerca de 10% dos servidores da saúde de Campinas, que contém 5.972 profissionais. Segundo o secretário de Saúde, Carmino de Souza, a porcentagem é o dobro do número de ausências dos últimos anos, que girava em torno de 5%. 

LEIA TAMBÉM  
Prefeitura e Unicamp divergem sobre início de testes
Covid-19: um mês depois, Campinas ainda tem "quadro inicial"
Índice de isolamento cresce, mas ainda é baixo em Campinas
Confira as últimas notícias sobre o coronavírus em Campinas e na região
 

"Grande parte do afastamento não foi por doença, mas por prudência, para pessoas que estão no grupo de risco para esse trabalho. Assim, essas pessoas não ficam na linha de frente contra a doença", afirmou Carmino.  

Entre os funcionários afastados, estão mais de 400 técnicos e auxiliares de enfermagem, dois enfermeiros e 94 médicos. Ainda não há confirmação de nenhum profissional da saúde com covid-19, e segundo a Prefeitura, os casos suspeitos aguardam exames assim como os pacientes da cidade.  

"Os profissionais que realizam teste e tem suspeita para a doença, entram na fila e são tratados como todos os pacientes da comunidade. Ainda não há um esquema especial para atendimento das equipes, por isso a importância da prevenção", afirmou o secretário. 

Ainda segundo Carmino, a Prefeitura tem se empenhado para não faltar EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) à profissionais da saúde, e assim evitar mais desfalques na área médica. 

"Temos tendo sucesso com isso, apesar da grande dificuldade do país. É muito importante proteger os trabalhadores, eles estão na frente desse combate e são a força no enfrentamento", declarou.  

Até a manhã desta terça-feira (14) Campinas tinha 146 casos confirmados da doença e investiga a suspeita de outros 1.047 casos. Até agora a cidade soma cinco mortes pela covid-19. 

AUSÊNCIAS 

Na última quarta-feira (8), o prefeito Jonas Donizette comentou o primeiro balanço com número de profissionais afastados. Até então, Campinas tinha 207 profissionais fora do serviço. Na época Jonas comentou que o número já era representativo, e ressaltava a importância dos testes para diagnóstico do coronavírus. 

"Estamos tendo uma perda na Rede Mario Gatti, não é pouco trabalhador, por isso a importância dos testes", declarou Jonas, se referindo ao convênio que a Prefeitura tenta firmar com o HC (Hospital de Clínicas) da Unicamp, para realização de exames. 

Segundo o secretário da saúde, apesar da perca de ajuda desses profissionais, as ausências ainda não causam grande impacto no atendimento à população. 

"Isso é o dobro da série histórica, claro que causa algum problema, mas com todas as agendas fechadas envolvidas no enfrentamento na pandemia, ainda essa perca não tem causado grande transtorno. As unidades estão se reprogramando, e as atividades estão reduzidas, visando o foco no enfrentamento do novo coronavírus", afirmou Carmino. 

COMPENSAÇÃO 

Segundo a Saúde, os profissionais da saúde afastados ainda não estão sendo repostos diretamente. De acordo com o secretário da Saúde, já existe a liberação para a contratação de 210 profissionais, entre médicos, fisioterapeutas e profissionais de enfermagem para a urgência e emergência da Rede Mário Gatti. 

Ainda de acordo com Carmino, na rede municipal outros 250 profissionais concursados então sendo incorporados no setor, para complementar no combate ao covid-19. A previsão é que 500 profissionais aprovados no último concurso sejam contratados neste ano.

Mais do ACidade ON