Aguarde...

cotidiano

Covid-19: GM impedirá filmagens que mostram hospitais vazios

Vídeos têm sido divulgados em redes sociais mostrando hospitais vazios para questionar os reais efeitos da covid-19 entre a população

| ACidadeON Campinas

Tendas montadas na Unicamp. (Foto: Denny Cesare/Código 19)

A Guarda Municipal de Campinas informou que estará "atenta" para impedir a ação de pessoas que têm entrado em hospitais da cidade para fazer filmagens mostrando que as unidades estão com poucos pacientes em meio ao combate à pandemia do novo coronavírus. 

Vídeos têm sido divulgados em redes sociais mostrando hospitais vazios para questionar os reais efeitos da covid-19 entre a população. Segundo essas postagens, não é necessário promover medidas como o fechamento de estabelecimentos comerciais já que há, em tese, poucos infectados pela doença. 

As autoridades de saúde, no entanto, dizem que a região de Campinas - bem como o resto do país - ainda não atingiu o pico de contaminação do novo coronavírus, e que quando isso acontecer, haverá sim uma ocupação grande em hospitais. Campinas tem 152 casos confirmados da doença com sete mortes (leia mais aqui).

"Não dá pra permitir as pessoas irem até os hospitais fazer videozinho com más intenções. Os hospitais estão vazios justamente porque estão preparados para o pior que ainda está por vir", disse o prefeito Jonas Donizette (PSB) em transmissão ao vivo em suas redes sociais na tarde desta quinta (19).  
 
LEIA TAMBÉM 
Covid-19: motoristas serão abordados nas ruas de Campinas
Emdec vai voltar a multar quem participar de carreatas
AME de Campinas vira "Hospital Coronavírus" e já tem pacientes


Em nota, a GM disse que "equipes que fazem rondas em equipamentos hospitalares e Centros de Saúde da rede municipal estarão atentas a eventuais invasões e filmagens ilegais dentro destes ambientes". 
 
Nessa semana a Unicamp emitiu uma nota falando que é "fake" um vídeo que mostra "hospital de campanha" da instituição sem nenhum paciente. Na nota a universidade afirmou que a Unicamp não tem hospital de campanha. Nas imagens duas mulheres mostram tendas de triagem do Hospital de Clínicas da universidade. No local, é feito apenas um pronto atendimento e não há pacientes internados. A Unicamp ainda afirmou que por lá já passaram mais de 230 pessoas. 

Nesta quinta, a taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) dos hospitais de Campinas estava em 57,94%. Segundo a Secretaria de Saúde, a cidade tem hoje 661 leitos de UTI (adultos, pediátricos e neonatais), distribuídos nas redes pública e privada do município.

Mais do ACidade ON