cotidiano

Especial coronavirus

Pedreira publica decreto que autoriza reabertura do comércio

Comerciantes deverão atender algumas regras estabelecidas pela prefeitura

| ACidadeON Campinas -

Igrejas, eventos, academias e lojas de turismo continuam sem funcionar (Foto: reprodução EPTV)
A partir desta quarta-feira (22) o funcionamento de alguns estabelecimentos comerciais em Pedreira foi liberado. A Prefeitura estabeleceu algumas regras que deverão ser seguidas pelos comerciantes.  

O comércio na cidade estava fechado desde o dia 20 de março, quatro dias antes de ser decretada quarentena em todo o estado de São Paulo. No entanto, um decreto publicado pela prefeitura autorizou o funcionamento de alguns estabelecimentos e setores a partir de hoje.  

O secretário de negócios jurídicos do município, Marcelo Rodrigues Teixeira, justificou a reabertura com base em medidas previamente adotadas pela cidade, frente à covid-19. "Como a quarentena foi adotada antes de ser decretada no estado, isso permitiu que equipássemos o hospital, tomássemos algumas medidas preventivas, que autorizasse o município nesse momento a retomar as atividades em alguns setores", explicou. 

Para tanto, os comerciantes deverão disponibilizar álcool em gel em seus estabelecimentos, limitar a entrada de clientes e impor o uso obrigatório de máscaras aos clientes e funcionários. Tais medidas serão fiscalizadas pela Administração Municipal e em casos de descumprimento das regras, o proprietário poderá perder o alvará de funcionamento.  

No caso das padarias, restaurantes e lanchonetes, o sistema drive-thru e de entregas continua. Já as academias, igrejas, eventos e as lojas de turismo permanecem fechados.   

LEIA TAMBÉM: 
Campinas tem mais duas mortes por covid-19; são 10 no total 
Caixa amplia atendimento de agências em duas horas 

A medida de flexibilização do comércio poderá ser alterada ou revogada, conforme o avanço da doença na cidade, que até o momento não registra nenhum caso positivo. 

Procurado, o Governo de Estado declarou que o decreto estadual é bastante claro ao determinar a suspensão de atendimento presencial ao público em estabelecimentos de comércio ou serviços não essenciais. "O Estado considera inadmissível e pouco razoável que alguns prefeitos atuem de forma isolada para alterar radicalmente as medidas estabelecidas pelo decreto da quarentena. O distanciamento social e a redução drástica da circulação de pessoas são as principais iniciativas para mitigar a propagação do novo coronavírus e evitar o colapso do sistema de saúde nas 645 cidades de São Paulo", reiterou em nota.

A cidade de Indaiatuba também havia autorizado a abertura do comércio na semana passada. No entanto, após ser notificada pelo Governo do Estado, a prefeitura voltou atrás e suspendeu o decreto, mantendo apenas os serviços essenciais abertos.

Mais notícias


Publicidade