Aguarde...

cotidiano

Isolamento volta a 50% depois de uma semana abaixo do mínimo

Última vez que a cidade esteve com o índice acima dos 50% foi no domingo (10). Cidades com o índice abaixo do mínimo não poderão relaxar a quarentena

| ACidadeON Campinas

Movimento em frente a uma loja na Rua 13 de Maio, em Campinas. (Foto: Luciano Claudino/Código 19)

Campinas voltou ao índice de 50% de isolamento social no sábado (16), depois de uma semana abaixo da média mínima que permitira o eventual relaxamento da quarentena, conforme determinado pelo governo do Estado de São Paulo.

As informações foram obtidas pelo Simi-SP (Sistema de Monitoramento Inteligente do Governo de São Paulo), que analisa os dados de telefonia móvel para indicar tendências de deslocamento e apontar a eficácia das medidas de isolamento social nas cidades do Estado.

A última vez que o índice de isolamento social esteve acima dos 50% foi há uma semana, no domingo (10), quando a cidade atingiu a taxa de isolamento social de 52%.

Depois disso, o índice não esteve acima dos 45% em nenhum dia até sábado (16), quando a cidade atingiu os 50%.

Confira o índice de cada dia da última semana abaixo:

Domingo, 10 de maio - 52%
Segunda-feira, 11 de maio - 45%
Terça-feira, 12 de maio - 45%
Quarta-feira, 13 de maio - 44%
Quinta-feira, 14 de maio - 45%
Sexta-feira, 15 de maio - 43%
Sábado, 16 de maio - 50%

RELAXAMENTO

O isolamento social é uma das principais medidas para a contenção da pandemia de novo coronavírus, doença que ainda não tem medicamento ou tratamento adequado para o tratamento.  

De acordo com o Centro de Contingência do coronavírus o índice ideal de isolamento social para conter a propagação do novo coronavírus é de 70%.

O governador do estado João Doria (PSDB) já afirmou que as cidades que não atingirem a taxa de isolamento social de pelo menos 50% estarão automaticamente excluídas do futuro relaxamento de quarentena, que permitirá a reabertura de mais setores do comércio.

Durante a quarentena e com a taxa de isolamento abaixo dos 50%, apenas os serviços essenciais (como mercados e bancos) podem funcionar.

Mais do ACidade ON