Aguarde...

cotidiano

Campinas evita colapso se não receber pacientes da capital, diz Jonas

Colapso na saúde da Grande SP está previsto para ocorrer em três semanas por conta da pandemia do novo coronavírus

| ACidadeON Campinas

O prefeito Jonas Donizette (PSB) (Foto: Carlos Bassan/PMC) 

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette, disse que a cidade pode evitar um colapso na rede de saúde se não receber pacientes de fora contaminados com o novo coronavírus da capital e que precisam de internação em hospitais. O colapso em São Paulo está previsto para ocorrer em três semanas. 

Ainda nesta quarta-feira (20) o governador João Doria (PSDB) contratou mais 4,5 mil leitos, sendo 1,5 mil de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) em todo o Estado. O edital foi publicado no Diário Oficial estadual hoje, junto com a previsão considerando o avanço da doença no estado. Segundo balanço mais recente, divulgado no início da tarde desta quarta (20), chega a 5.363 número de vítimas de covid-19 no estado. 

Em Campinas, Jonas afirmou que o colapso na capital é um preocupação e é algo muito complicado. "É um gigante. Somente na Região Metropolitana de São Paulo tem 20 milhões de pessoas. Se eles conseguirem segurar os pacientes lá e não vir para Campinas, já está de bom tamanho", disse ele em transmissão em suas redes sociais.  

LEIA TAMBÉM
Campinas ultrapassa marca dos mil casos de covid-19
Covid-19: Hospital de Campanha tem 69,4% de leitos ocupados
Covid-19: moradoras de lar para idosos em Americana testam positivo


Desde o começo da pandemia e isolamento social, no fim de março, a Prefeitura já demonstrava preocupação com a situação e chegou a pedir para o Estado não enviar pacientes para cá. O risco é de faltar leitos para os campineiros e também munícipes de outras cidades da região. 

Campinas, inclusive, já teria negado acolher pacientes vindos de São Paulo. No entanto, chegou a receber quatro vindos de cidades da região metropolitana, como Francisco Morato e Franco da Rocha. 

Hoje, a ocupação de leitos de UTI na cidade é de 75,25% - nova alta registrada desde o dia 7 de maio. Ontem, a ocupação era de 73,08%. Nesta quarta-feira, a cidade tem 691 leitos de UTI (adultos, pediátricos e neonatais), distribuídos nas redes pública e privada do município. Deste total, 520 estão ocupados.

Mais do ACidade ON