Aguarde...

cotidiano

Jonas libera lojas, shoppings, restaurantes e igrejas em Campinas

Funcionamento com restrições vale a partir da próxima segunda (1º); veja como vai funcionar

| ACidadeON Campinas

Homem passa por loja de móveis com a porta entreaberta e movimento normal de clientes no Centro de Campinas, neste sábado (23) (Foto: Denny Cesare)

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), confirmou nesta quinta-feira (28) a liberação para reabertura do comércio de rua e dos shoppings, com restrições, a partir da próxima segunda-feira (1º) na cidade.

Os shoppings estão fechados desde o dia 19 de março, e estabelecimentos comerciais desde o dia 23 de março. O fechamento faz parte da quarentena imposta para o combate da pandemia do novo coronavírus na cidade.  

LEIA MAIS 
Covid-19: Campinas tem mais 2 mortes; casos são 1.353 
Campinas recebe doação de 60 mil máscaras para saúde 
Terminais de ônibus recebem totens com álcool em gel

Mesmo diante do aumento constante de casos e da ocupação cada vez maior de leitos por causa da covid-19 em Campinas - que hoje chegou a 90% na cidade - nesta quarta (27) o governador João Doria (PSDB) divulgou o plano para reabertura que coloca a região área laranja - onde já podem abrir, a partir da próxima segunda, shoppings, comércio de rua, escritórios, imobiliárias e concessionárias de veículos.

Jonas resolveu seguir o plano estadual. Os estabelecimentos deverão obrigar os clientes a usarem máscaras, além de intensificarem medidas de higiene e adotarem iniciativas para garantir o distanciamento dentro das lojas.

Além disso, haverá também limitação de horário. Para o comércio de rua, as lojas devem funcionar das 10h às 16h. Nos shoppings, das 14h às 20h.

Em todos os casos, segundo o prefeito, a movimentação de clientes deve ser restrita a 30% da capacidade de clientes. Jonas também disse que ficam proibidas ações que promovam aglomeração de clientes, como promoções.

"Tivemos problemas com isso na Páscoa. Por isso agora não vai poder mais. Outro ponto importante é o horário. Quem funcionar fora do horário previsto vai levar multa", disse Jonas.

O prefeito afirmou ainda que pessoas com mais de 60 anos estão impedidas de trabalhar. "Nada disso vale para quem tem mais de 60 anos. Para essas pessoas, assim como seus familiares, a recomendação é que continuem em casa quanto mais for possível", disse Jonas.    

Nos shoppings, também não estarão permitidos os funcionamentos de serviços como o cinema, teatros e salões de beleza, que ainda não serão liberados (leia mais abaixo).

A Prefeitura ainda não prevê a abertura de escolas. 

RESTAURANTES E IGREJAS

O prefeito também liberou o funcionamento de restaurantes, com 30% da capacidade do público, no horário de almoço, bem como das igrejas e templos religiosos, também com 30% da capacidade - embora esses dois setores não estejam previstos no plano estadual.   

"Minha conversa com o governo do Estado é que os prefeitos têm autonomia", justificou.

No caso dos restaurantes dentro dos shoppings, o prefeito informou que a situação ainda está sendo analisada e vai ser definida até a publicação do decreto que oficializa a reabertura. "Talvez vamos manter o funcionamento (das praças de alimentação) com 30% da capacidade", afirmou. 

O prefeito ressaltou que a medida não vale para os bares. "É só para os restaurantes. A ideia é que as pessoas que agora vão poder trabalhar tenham onde se alimentar."

No caso das igrejas e templos religiosos, os responsáveis devem responder um formulário garantindo a adequação a medidas de higiene e restrição de público. Além disso, fiéis com mais de 60 anos não estão autorizadas a frequentar os locais. 

SALÕES DE BELEZA 

Sobre a abertura dos salões de beleza, Jonas disse que a Vigilância em Saúde de Campinas foi contra a abertura na próxima semana, devido ao tipo de serviço que é feito e pela proximidade que gera entre profissional e clientes.  

Com isso, o prefeito disse que pediu à Vigilância que instrua um protocolo, em parceria com os representantes de salões de beleza, para que possa abrir em um "futuro breve". "Pode ser o mais rígido que for, para em um futuro breve, possamos também encampar essa atividade em funcionamento", disse ele.

Mais do ACidade ON