cotidiano

Especial coronavirus

Consumidores lotam a Rua 13 de Maio em reabertura do comércio

Desde a manhã de hoje muita gente já estava esperando a volta das atividades do comércio não essencial

| ACidadeON Campinas -

Filas se formaram antes mesmo da aberturas das lojas. (Foto: Luciano Claudino/Código 19)

A reabertura do comércio na área central de Campinas prevista para o meio-dia de hoje (8) gerou longas filas e aglomeração de pessoas na manhã desta segunda-feira, horas antes da retomada. O comércio de rua está previsto para funcionar do meio-dia às 16h. Já, as lojas dos shoppings, das 16h às 20h. Os dois setores devem funcionar com 20% de sua capacidade de operação.

Desde a manhã de hoje muita gente já estava esperando a volta das atividades do comércio não essencial. As longas filas foram flagradas na Rua 13 de Maio, principal corredor de compras do comércio popular. Funcionários das lojas do calçadão tiveram que organizar as pessoas em filas e distribuir álcool em gel. Inclusive algumas lojas organizaram filas para atender o público preferencial, já que era grande o número de idosos e pessoas com crianças de colo. 

O decreto que regulamentou a reabertura em Campinas recomenda que idosos permaneçam em isolamento.

Ao abrir, por volta do meio dia, o fluxo de pessoas teve que ser controlado para entrar nos comércios e funcionários de algumas lojas tiveram que barrar pessoas, controlando a entrada e o excesso de clientes. Em algumas lojas, novos clientes só entravam quando outros saiam. 
 
LEIA TAMBÉM 
Campinas começa aplicação de testes rápidos em 1,7 mil moradores
Agentes começam a medição de temperatura nos terminais


A maior parte das pessoas que estava na 13 de Maio usava máscaras, e algumas ainda carregavam álcool em gel nas bolsas e na mão. Muitos também foram ao local para pagar boleto das lojas que reabriram.



Na semana passada o Município publicou o decreto com as regras da reabertura. O comércio de rua, que inclui galerias e similares, podem abrir das 12h às 16h, atendendo com 20% da capacidade. Já os shoppings centers poderão funcionar das 16h às 20h, também com 20% da capacidade. Mesmo dentro dos shoppings, ainda não poderão funcionar praças de alimentação, cinemas, teatros, academias, salões de beleza e serviços de valet. 
 
A abertura do comércio acontece após mais de 70 dias de fechamento do comércio não essencial como forma de combate ao coronavírus. Mas em Campinas essa retomada ainda acontece com o número de casos ainda aumentando (leia mais aqui). 


 
A RETOMADA 

Além do comércio, igrejas e templos poderão funcionar, com 20% da capacidade, por quatro horas, mas o horário poderá ser estipulado por cada um. Eventos religiosos, culturais e educativos, como escolas bíblicas ou festas juninas, por exemplo, estão vetados. Está proibida a participação de pessoas com mais de 60 anos e/ou com doenças crônicas.

Escritórios, como os de advocacia, contabilidade, imobiliárias, engenharia, arquitetura e turismo, por exemplo, podem funcionar por quatro horas seguidas e atender com 20% da capacidade.

Os estabelecimentos autorizados a retomar as atividades com público devem seguir todas as medidas sanitárias para garantir a higiene, evitar aglomeração de pessoas para combater a disseminação do coronavírus, como manter distância de, no mínimo, 1,5 metro entre as pessoas; disponibilizar álcool em gel; marcar o distanciamento no solo; exigir o uso de máscaras por funcionários e clientes e dispensar do trabalho in loco funcionários com possíveis sintomas, que tenham doenças crônicas e/ou mais de 60 anos.

Quem não cumprir as regras poderá ser multado em R$ 1.446,44. Em caso de reincidência, o valor da multa será dobrado. Na terceira autuação, o estabelecimento ficará fechado até o fim da quarentena.

Os estabelecimentos devem emitir, gratuitamente, a Declaração de Estabelecimento Responsável, um certificado de responsabilidade que deve ser solicitado online, após inscrição e rápida capacitação, pelo portal da Prefeitura no https://ead-covid19.campinas.sp.gov.br/ .

O prefeito Jonas Donizette disse que até a sexta-feira dia, 12 de junho, avaliará se a cidade terá condições de manter, ampliar ou recuar, caso necessário, da reabertura dos serviços.

Mais notícias


Publicidade