Aguarde...

cotidiano

Ao contrário do Centro, shoppings têm movimento tranquilo em reabertura

Shoppings de Campinas puderam reabrir com 20% da capacidade por quatro horas nesta segunda-feira (8)

| ACidadeON Campinas

 

Movimento no Shopping Dom Pedro, em Campinas: distanciamento e máscaras para os clientes (Foto: Denny Cesare/Código19)

Ao contrário da cena vista nesta segunda-feira (8) nas ruas do Centro de Campinas, lotadas de clientes e com movimentação que parecia de Natal, os shoppings da cidade tiveram movimento mais tranquilo no primeiro dia de flexibilização da quarentena após 77 dias. Os corredores estavam mais vazios e os clientes conseguiram fazer o distanciamento social de 1,5 metro, pelo menos.  

Com o plano de flexibilização, as lojas podem abrir no período das 16h às 20h. Assim como o Centro, as lojas também só podem funcionar com 20% da capacidade. Ainda não poderão funcionar praças de alimentação, cinemas, teatros, academias, salões de beleza e serviços de valet.

Em uma loja de roupas, o movimento foi tranquilo. "Está bem devagar. Tem gente nos corredores, mas na loja não entrou muita gente. Acho que é o primeiro dia ainda, as pessoas estão com medo de sair, ficam na dúvida. Mas acho que depois melhora. No fim de semana esperamos que melhore", disse a vendedora Priscila Abreu, de 37 anos.

"A hora que deu 16h, entrou bastante gente, mas depois normalizou. Está cheio como se fosse um dia normal. Até assusta um pouco, tem bastante idoso. Não parece Natal, mas parece um outubro movimentado", disse a vendedora de lojas de sapatos Janaína Natalia Nunes, de 21 anos.

A reabertura do comércio foi autorizada mesmo com o aumento do número de casos de coronavírus em Campinas. Somente hoje foram confirmadas mais quatro mortes pela doença, totalizando 107 óbitos e 2.791 casos na cidade.

Além disso, a taxa de ocupação de leitos também está alta, em 84%, e também não há mais leitos disponíveis no AME ou no HC (Hospital de Clínicas) da Unicamp.  


LEIA TAMBÉM 
Sumaré registra 13 mortes e 270 casos de coronavírus
Nova Odessa confirma quarta morte por coronavírus
Se dependesse só da Saúde, comércio não reabriria, admite Carmino


MUDANÇA DE COMPORTAMENTO


Para o advogado e presidente da Comissão de Shoppings Centers da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de Campinas, Gustavo Maggioni, a diferença do shopping é devido ao formato em que ele foi construído e usado pelos clientes ao longo dos anos.

"Acho que o setor vai começar a pensar em voltar ao normal em novembro ou dezembro. Até porque essa reabertura agora é só das lojas, e os shoppings são centros de lazer. Com a praça de alimentação e lazer fechados, os shoppings viram apenas um conjunto de lojas", explicou.

Mais do ACidade ON