cotidiano

Especial coronavirus

Comércio de Campinas volta a fechar hoje após alta da covid-19

O anúncio foi feito pelo prefeito de Campinas Jonas Donizette (PSB) na última sexta-feira (19)

| ACidadeON Campinas -

Comércio não abre as portas em Campinas. (Foto: Denny Cesare/Código 19)

O comércio de Campinas volta a fechar hoje (22) após 15 dias da reabertura devido a alta na ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para pacientes com covid-19. A nova restrição é voltada apenas para o comércio de rua e shoppings da cidade e, por enquanto por uma semana. Os estabelecimentos continuam autorizados a funcionar desde que por meio de delivery e drive-thru.

O anúncio foi feito pelo prefeito de Campinas Jonas Donizette (PSB) na última sexta-feira (19). O recuo foi feito diante do aumento elevado de casos confirmados e mortes pela covid-19 nos últimos dias na cidade. Campinas tem batido recordes sucessivos no registro de pacientes e mortes pela doença, que tem a transmissão facilitada em aglomerações. Até sábado (20), Campinas registrou 209 mortes com 5.401 casos confirmados da doença.

Desde que reabriu o principal corredor de compras popular da cidade, Rua 13 de Maio, tem registrado uma grande circulação de pessoas no horário que as lojas estavam abertas - 12h às 16h. Segundo um levantamento feito pela Acic (Associação Comercial e Industrial de Campinas) em apenas cinco dias 325 mil pessoas passaram pelo calçadão da 13. Por conta desse volume de pessoas, além das medidas ad Vigilância Sanitária imposta aos comerciantes, a Prefeitura criou medidas de circulação na 13 de Maio (veja mais aqui).

Além disso, a cidade também tem enfrentado o lotação de leitos do SUS para tratamento da covid-19. Desde sábado, por exemplo, não há mais leitos disponíveis em UTI para covid-19 na rede municipal.

Mais cedo, ainda nesta sexta, o governo do Estado havia recomendado que Campinas e Sorocaba regredissem no Plano São Paulo. A decisão oficial do governo estadual foi de manter a região de Campinas na fase 2 (laranja), mas uma "nota técnica" recomendou aos prefeitos das duas cidades que promovessem o fechamento do comércio não essencial.

Jonas disse que não está promovendo o retrocesso de Campinas para a fase 1 (vermelha), mas sim mantendo a cidade na fase laranja, mas com restrições. "Queremos salvaguardar a vida das pessoas, pelo alto índice de ocupação de leitos. Temos carregado a rede de leitos, e quanto mais a gente carrega, percebe que estamos enxugando gelo, porque mais pessoas estão ficando adoentadas. Precisamos de outras medidas mais do que a assistência hospitalar".  
 
No sábado passado, último dia de funcionamento do comércio antes do novo fechamento a Rua 13 de Maio ficou completamente lotada de consumidores (leia mais aqui).

Ônibus

Com o fechamento das lojas novamente a Emdec (Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas) disse que está analisando uma possível redução da frota dos ônibus municipais que havia sido aumentado em cerca de 30% por causa da reabertura do comércio. A informação sobre essa redução das linhas será tomada na manhã de hoje.

Mais notícias


Publicidade