Aguarde...

cotidiano

Depois de estabilizar, taxa de leitos de UTI sobe e chega a 87,04%

Apesar da alta, flutuação de índice é pequena e desde ontem dois leitos foram ocupados a mais em Campinas por pacientes com covid-19

| ACidadeON Campinas

Leitos do Hospital Metropolitano de Campinas (Foto: Fernanda Sunega/PMC) 

A taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) exclusivos para covid-19 voltou a subir nesta terça-feira (21) após ter se estabilizado por dois dias seguidos. De acordo com o boletim da Prefeitura, ela chegou hoje a 87,04% de ocupação. Ontem o índice era de 86,45%.

Apesar da alta, a flutuação é pequena e apenas dois leitos foram ocupados por pacientes com complicações do novo coronavírus. Segundo a Administração, dos 409 leitos das redes pública e particular, 356 estão ocupados. Há 53 leitos livres somando as redes pública e particular.

Como vem acontecendo desde o começo da epidemia, os leitos oferecidos pela gestão municipal são os que têm maior taxa de ocupação. Nesta terça, o índice é de 94,19%. Dos 155 leitos, 146 estão ocupados. Há 9 leitos livres.

No SUS Estadual, que corresponde ao AME (Ambulatório Médico de Especialidades) e ao HC (Hospital de Clínicas) da Unicamp, a taxa de ocupação é de 87,10%. São 93 leitos, dos quais 81 estão ocupados. Há 12 leitos livres.

Na rede particular, são 161 leitos, dos quais 129 estão ocupados, o que equivale a 80,12%. Há 32 leitos livres.

80%

Lembrando que a taxa de ocupação de leitos de UTI na epidemia de covid-19 é um dos principais critérios usados pelo governo estadual para a possível flexibilização da quarentena e abertura do comércio. Somente com o índice abaixo de 80% é que a cidade pode avançar de fase.

Campinas, atualmente, está na terceira semana seguida na fase vermelha, a mais restritiva das fases do Plano São Paulo. Ainda nesta terça-feira, Campinas confirmou mais 25 mortes por covid-19 e chegou a 568 óbitos, além de 13.801 casos confirmados (leia mais aqui).

Mais do ACidade ON