Aguarde...

cotidiano

Reabertura do comércio tem nova aglomeração em Campinas

Além do grande número de pessoas circulando pela 13 de Maio, até mesmo horas antes da abertura das lojas, havia muita gente em filas

| ACidadeON Campinas

Movimento intenso na Rua 13 de Maio no primeiro dia da reabertura do comércio. (Foto: Código 19)

O comércio de rua de Campinas reabriu no começo da tarde desta segunda-feira (27), 35 dias após o fechamento dos serviços não essenciais por causa da alta dos casos de covid-19 e da pressão nos leitos hospitalares. Mesmo com o apelo das autoridades do Município e também de Saúde para não haver aglomerações como ocorreu quando houve a primeira reabertura, o movimento na principal via do corredor de compras, a 13 de Maio, foi intenso e lembrou bastante as imagens da primeira vez que a cidade flexibilizou e reabriu o comércio, em 8 de junho.

Além do grande número de pessoas circulando pela via, até mesmo horas antes da abertura das lojas ao meio-dia, havia muita gente em filas nas portas dos estabelecimentos.

Também havia pessoas sem máscaras e desrespeitando o distanciamento social, principais barreiras para tentar impedir a disseminação do novo coronavírus. Até a manhã desta segunda-feira, Campinas somava 639 mortes pela nova doença e 15.681 casos confirmados.

Quem foi à região central justificou que precisava pagar contas ou comprar produtos essenciais. Apesar da preocupação com a doença, muitos afirmaram que estavam tomando cuidado para evitar a contaminação.

Campinas foi reclassificada na fase laranja do Plano São Paulo de flexibilização da quarentena na última sexta-feira (24) pelo Estado. Toda a região passou três semanas na fase vermelha do plano, a mais restritiva, com o funcionamento apenas das atividades essenciais. Campinas já estava com o comércio não essencial fechado um pouco antes, desde o dia 22 de junho, por decisão municipal.  



Hoje cedo, o prefeito Jonas Donizette (PSB), durante uma live pelas redes socais, solicitou que as pessoas evitassem ir ao Centro hoje, data da reabertura. Em seu apelo Jonas pediu para que a população controlasse a ansiedade e que a ida ao comércio fosse apenas por necessidade.   

"Não é o momento de passear pelos centros de compras sem motivo. A colaboração de todos é fundamental para que Campinas avance para a fase amarela, além de ser um ato de solidariedade aos que dependem desse reenquadramento, como bares, restaurantes, salões de beleza entre outros setores que só abrem na fase amarela", disse.

As lojas de rua são autorizadas a funcionar do meio-dia às 16h e os shoppings, das 16h às 20h, todos os dias.

PREOCUPAÇÃO

A reabertura das lojas de rua, principalmente na 13 de Maio, principal corredor popular de compras da cidade, traz preocupação para que a cidade não volte a registrar as cenas de aglomeração como a que ocorreu no começo de junho quando o comércio não essencial foi liberado pela primeira vez para o retorno das atividades. Na época, durante as duas semanas de funcionamento das lojas, foi registrado um grande número de pessoas no local, aglomerações e filas sem distanciamento.

Para tentar diminuir o risco de contágio e evitar novas aglomerações, a Prefeitura de Campinas começou a operar três "Pit Stops da Prevenção" em pontos estratégicos de acesso ao calçadão. Os dispositivos, com visual de portal, foram instalados em três locais: próximo à Catedral Metropolitana, no encontro da Avenida Senador Saraiva com o Largo Marechal Floriano e próximo à Estação Cultura.

A ação tem como objetivo criar uma barreira educativa para conscientizar os pedestres a evitar aglomerações e manter o distanciamento social. Uma força-tarefa, composta pelos bolsistas do Programa Juventude Conectada, agentes da Setec e Guarda Municipal, vai atuar nas ações de conscientização.

Nos espaços, será oferecido álcool em gel para a higienização. As equipes vão reforçar as informações sobre a obrigatoriedade do uso de máscara e também vão orientar as pessoas que idosos e famílias devem evitar passear pelo local neste momento de pandemia.

MULTA MORAL

Campinas vai manter o projeto da Multa Moral e descartou a aplicação de multa financeira para pessoas que estivem sem usar máscara de proteção nas ruas da cidade.

Durante as abordagens, será apresentado um vídeo que mostra a gravidade da doença como mais uma forma de conscientizar as pessoas sobre a importância do uso de máscaras como forma de prevenção ao coronavírus.

Desde que foi implantada a Multa Moral, foram distribuídas 8 mil máscaras e aplicadas cerca de 5 mil advertências. A ação é realizada por jovens do Juventude Conectada e pelos bolsistas do programa Mão Amiga.

Mais do ACidade ON