Aguarde...

cotidiano

Volta às aulas: maioria dos pais não quer filhos na escola

Resultado de pesquisa on-line feita pela Prefeitura de Campinas mostrou rejeição à ideia de retomar aulas presenciais em outubro, como previsto pela Administração

| ACidadeON Campinas

Aulas estão suspensas desde o começo da quarentena do novo coronavírus em Campinas (Foto: Arquivo/Denny Cesare/Código19) 

*Esta matéria foi atualizada às 19h55 do dia 10 de agosto

A maior parte dos pais e estudantes de escolas municipais de Campinas não quer a volta às aulas presenciais, previstas para o dia 7 de outubro no município. Pesquisa on-line feita pela Prefeitura de Campinas revelou que cerca de 80% da comunidade escolar votou contra a presença dos alunos nas salas de aula, mesmo com as medidas de proteção contra o novo coronavírus.

A pesquisa foi feita entre os dias 1º e 8 de setembro, como forma de consultar a opinião dos pais para o plano previsto da Secretaria de Educação para a retomada das atividades escolares. Um total de 18 mil moradores responderam ao questionário, que se encerrou na última terça-feira (8).

Na educação infantil, 78,4% dos pais disseram que não mandariam os filhos para a escola presencialmente. O restante (21,6%) disse que aceitaria a criança presencialmente na sala de aula. No ensino fundamental Anos Iniciais, o resultado é maior: 82,1% não mandariam os alunos para a escola.

Já nos anos finais do fundamental, o resultado é ainda maior: 84,1% são contra enviar as crianças para a volta às aulas presenciais e preferem manter a atividade remota. No EJA (Ensino de Jovens e Adultos) o voto contrário também ganhou, com 79,8% contra a retomada.   

LEIA TAMBÉM: Covid-19: Câmara adia projetos sobre cuidados na volta às aulas

A RETOMADA

O plano de volta às aulas foi anunciado dia 31 de agosto. A retomada presencial seria apenas para os alunos de 5º e 9º ano, considerados etapas finais do ensino. Há ainda a possibilidade da volta às aulas para crianças no ensino infantil com 4 e 5 anos, tanto nas escolas pública quanto nas privadas.

Já as crianças de 0 a 3 anos não deverão voltar e não há dia definido para que isso ocorra. Os demais alunos terão um reforço escolar no ano que vem, em uma espécie de "recuperação paralela".

Segundo a Administração, essa pesquisa é importante não só para ouvir a comunidade escolar, como também para preparar o ambiente escolar para as crianças que forem, de fato, voltar presencialmente.

Além disso, a enquete não tem poder de determinar se as aulas serão de fato retomadas ou não, mas deve ser considerada pela Administração, principalmente porque o prefeito Jonas Donizette (PSB) quer evitar desgaste em meio ao processo eleitoral.

COMO SERÁ

Entre as regras para a volta presencial, estão a limpeza sanitária das unidades várias vezes ao dia, o distanciamento social dos alunos de 1,5 metro e também um kit para cada um, contendo máscara, álcool em gel e uma garrafinha de água (os bebedouros estarão fechados).

Há ainda um plano de testar todos os profissionais de educação para a volta. Segundo último boletim epidemiológico, divulgado hoje, Campinas tem 1.107 óbitos desde março e 29.913 casos confirmados de covid-19.

O retorno das aulas presenciais no dia 7 de outubro foi previsto pelo governo estadual para regiões que estiverem há 28 dias na fase amarela do Plano São Paulo, de flexibilização da quarentena. Campinas completa nesta quinta (10) 33 dias na fase amarela, e ao menos por enquanto não há perspectiva de rebaixamento para as próximas semanas.

Mais do ACidade ON