Aguarde...

cotidiano

Em Campinas, secretário estadual garante aula presencial em fevereiro

Rossiele Soares afirmou que aulas voltam no dia 1º de fevereiro para todos os alunos e professores; segundo ele, não houve transmissão de covid nas escolas desde volta, em setembro

| ACidadeON Campinas

Aulas presenciais voltam em fevereiro com medidas de segurança (Foto: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo)

O secretário estadual de Educação de São Paulo, Rossiele Soares, garantiu a volta às aulas presenciais na rede de ensino do Estado a partir do dia 1º de fevereiro. Rossieli Soares esteve em Campinas nesta segunda-feira (4) e afirmou que não houve, desde 8 de setembro, transmissão de covid-19 dentro das salas de aulas.

Desde setembro, inclusive, parte dos alunos já voltou para as escolas estaduais. Agora, as aulas voltam novamente em sistema de rodízio, com máximo de 35% de estudantes em cada sala e com medidas protetivas contra o novo coronavírus.

Ainda segundo o secretário, o aluno ou aluna que tiver comorbidades não será obrigado a voltar. "Quem tiver um atestado não precisara voltar. É como qualquer aluno que tenha um atestado médico. Será permitido, obviamente, não estar (na sala de aula)", disse ele em entrevista à EPTV Campinas.

O secretário garantiu ainda que as escolas ficarão abertas mesmo que eventualmente o Estado decida pela volta à fase vermelha do Plano São Paulo. Pelas regras atuais, escolas públicas e privadas só poderiam abrir em regiões que estejam na fase amarela do plano de flexibilização.

Em Campinas, 1.466 moradores morreram por conta da doença, que também infectou 50.393 pessoas na cidade desde março. Em relação à rede municipal, o secretário José Tadeu Jorge afirmou que pretende retomar as aulas presenciais nesse ano e que o ambiente atual é seguro para isso - leia mais aqui.

No Estado, o decreto que incluiu a educação básica na lista de serviços essenciais foi publicado no dia 18 de dezembro. Isso
permite manter as escolas abertas mesmo que São Paulo tenha alta nos índices da pandemia de coronavírus. "Não dá para ter bar aberto e escola fechada. Precisamos dar prioridade para a educação", disse Soares.

RECUPERAÇÃO

Ainda nesta segunda-feira, os alunos da rede estadual que não conseguiram atingir o rendimento mínimo esperado em relação ao ano letivo de 2020 começaram a Recuperação Intensiva.

Os alunos devem comparecer no mínimo à 75% das aulas para avançar para o ano/série seguinte. Serão priorizados para atendimento presencial os estudantes com menor frequência dos 5º e 9º anos do ensino fundamental e das 3ª séries do ensino médio.

As aulas também poderão acontecer online para alunos que se enquadrem em grupos de risco, por exemplo.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON