cotidiano

Especial coronavirus

Campinas terá fase vermelha a partir de amanhã; veja regras

Endurecimento de quarentena por 15 dias em Campinas ocorre após pressão extrema na rede de saúde e tendência de aumento de casos; Dário fala em situação de "quase colapso" da rede de saúde

| ACidadeON Campinas -

Medida foi anunciada nesta terça-feira (2) pelo prefeito Dário Saadi (Republicanos) (Foto: Karen Fontes/Código19) 

A Prefeitura de Campinas decidiu nesta terça-feira (2) impor a fase vermelha do Plano São Paulo de flexibilização da quarentena na cidade devido a pressão extrema na rede de saúde da cidade. Nos últimos dias a cidade tem registrado um grande aumento de internações de covid-19, além da tendência de alta de novos casos. A mudança começa amanhã (3) e é válida por 15 dias - até o dia 16 de março.

A fase vermelha, destacada como alerta máximo, é a mais restritiva do Plano São Paulo, quando somente as atividades essenciais podem funcionar. Se enquadram nessas atividades setores como o de supermercados e farmácias.
 
O restante só poderá funcionar com sistema de delivery, drive-thru e take-away (retirada). Nenhuma atividade não-essencial pode estar funcionado para receber o público. A intenção é reduzir drasticamente a circulação de pessoas no município.  
 
O prefeito de Campinas, Dario Saadi (Republicanos) disse que medida é evitar um "colapso" na rede de saúde. "A cidade passa por um momento de emergência sanitária jamais visto na sua história recente. Fez-se necessário essa medida, por conta da emergência sanitária e de necessidade de leitos", disse Dário.
 
"Durante 14 dias, até o dia 16 de março, poderão funcionar apenas as atividades essenciais na cidade. Não pode academia, cabeleireiro e barbearias, por exemplo. Nenhuma com público. Nos estamos fazendo também uma restrição das igrejas com encerramento das atividades às 20h e com 30% da capacidade. Ainda seguindo as orientações, estão suspensas as aulas presenciais de todos os níveis, com exceção dos cursos superiores da área de saúde", afirmou Peter Panutto, secretário municipal de Justiça. 



Ele também afirmou que haverá uma restrição no acesso ao Paço Municipal com limite de presença de 30% dos funcionários na Prefeitura.

Neste ano, Campinas esteve na fase vermelha de restrição de atividades no primeiro final de semana do ano e depois durante a fase vermelha noturna que havia sido encerrada ontem (leia mais abaixo).

QUASE COLAPSO


Sobre a situação, o prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos), disse que a omissão de não adotar medidas restritivas neste momento poderia ocasionar a um colapso jamais visto na rede de saúde da cidade.  

"Nós vivemos um momento de quase colapso do nosso sistema de saúde. Não é uma decisão fácil para a cidade tomar. Tenho ido a todos os hospitais, principalmente os públicos, acompanhado de perto o trabalho e sofrimento da equipes médicas. E das famílias, que têm parentes entubados. Todos nós estamos cansados dessa pandemia. E cansados de restrições. Mas o cansaço a gente recupera. A dor da perda de um familiar é para sempre".

Dário disse ainda que a maioria da população segue os protocolos, mas que uma minoria tem impactado na situação da pandemia na cidade. "Nós vamos agir. Sabemos a dificuldade que é, de muitos setores produtivos, de enfrentar uma fase vermelha. Mas o poder público tem que agir quando tem que agir". Essa decisão, segundo o prefeito, foi feita por unanimidade entre as secretarias, entre elas a de Saúde e Assuntos Jurídicos.

O governo estadual também prevê medidas mais restritivas para o atual momento da pandemia de covid no Estado. Hoje, uma reunião está marcada com os prefeitos às 16h.

HISTÓRICO

A última vez que Campinas esteve na fase vermelha durante o dia todo foi em dois períodos de dezembro e janeiro, quando o governo estadual colocou todas as cidades paulistas na fase mais restritiva. O período valeu para os dias 25, 26 e 27 1º, 2 e 3.

Em fevereiro, Campinas decidiu adotar uma fase vermelha noturna, das 21h às 5h da manhã, além dos finais de semana. Ela foi decretada no dia 26 e terminou no dia 1º de março, após a região de Campinas regredir para a fase laranja - nessa fase os serviços só podem funcionar até 20h.

Após esse anúncio da Prefeitura de Campinas, o governo estadual também adotou um toque de restrição das 23h às 5h. A restrição de circulação de pessoas neste horário foi determinada na última quarta-feira (24) e a medida valia até o dia 14 de março. Agora, ela cai em desuso nos locais onde a fase vermelha opera.

O QUE PODE FUNCIONAR NA FASE VERMELHA

Saúde: hospitais, clínicas, farmácias, clínicas odontológicas, lavanderias e estabelecimentos de saúde animal.

Alimentação: supermercados, hipermercados, açougues e padarias, lojas de suplemento, feiras livres. É vedado o consumo no local.

Bares, lanchonetes e restaurantes: permitido serviços de entrega (delivery) e que permitem a compra sem sair do carro (drive thru). Válido também para estabelecimentos em postos de combustíveis.

Abastecimento: cadeia de abastecimento e logística, produção agropecuária e agroindústria, transportadoras, armazéns, postos de combustíveis e lojas de materiais de construção.

Logística: estabelecimentos e empresas de locação de veículos, oficinas de veículos automotores, transporte público coletivo, táxis, aplicativos de transporte, serviços de entrega e estacionamentos.

Serviços gerais: lavanderias, serviços de limpeza, hotéis, manutenção e zeladoria, serviços bancários (incluindo lotéricas), serviços de call center, assistência técnica de produtos eletroeletrônicos e bancas de jornais.

Segurança: serviços de segurança pública e privada.

Comunicação social: meios de comunicação social, inclusive eletrônica, executada por empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens.

Construção civil, agronegócios e indústria: sem restrições.

Mais notícias


Publicidade